Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

França quer regresso da "negociação política" após ataques à Síria

Os sistemas de defesa antiaérea sírios na zona de Damasco respondem ao ataque desta madrugada levado a cabo pelos EUA, Reino Unido e França

SANA / HANDOUT

Ministro francês dos Negócios Estrangeiros afirma que tem de ser encontrada uma "solução política" para a crise na Síria

O ministro francês dos Negócios Estrangeiros afirmou este sábado que a França quer "trabalhar para o regresso" das negociações políticas à crise síria, após os ataques ocidentais lançados esta madrugada contra alvos ligados à produção de armas químicas.

"Deve ser encontrado um plano de saída da crise, com uma solução política, e estamos prontos para trabalhar nisso agora com todos os países que podem contribuir para esse processo", afirmou Jean-Yves Le Drian, adiantando que a França "retomará as iniciativas políticas" para obter o "desmantelamento do programa químico sírio" e fazer cumprir as resoluções do Conselho de Segurança da ONU sobre o cessar-fogo e o acesso da ajuda humanitária à população.

A operação militar dos Estados Unidos, Reino Unido e França é "legítima", "proporcional e objetivada", salientou o ministro francês, justificando o ataque com a "escalada quimíca na Síria", que diz representar "uma ameaça à paz e segurança internacionais".

Os EUA, a França e o Reino Unido lançaram esta madrugada mísseis contra alvos associados à produção de armamento químico na Síria, em resposta a um alegado ataque com armas químicas na cidade de Douma, Ghuta Oriental, por parte do governo de Bashar al-Assad.