Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Centenas de sírios manifestam-se em Damasco após os ataques

OMAR SANADIKI/REUTERS

Uma hora depois de os mísseis americanos atingirem os subúrbios da capital síria, centenas de pessoas reuniram-se na histórica praça Omayyad, acenando bandeiras, batendo palmas e dançando

Centenas de sírios começaram a reunir-se este sábado de manhã nas ruas de Damasco acenando bandeiras e buzinando em sinal de vitória, festejando os ataques aéreos dos Estados Unidos, França e Reino Unido, que iniciaram esta madrugada um bombardeamento contra as "capacidades de armamento químico" do governo de Bashar Al Asad.

De acordo com a Associated Press, uma hora depois de os mísseis americanos atingirem os subúrbios da capital síria, vários veículos percorreram as ruas de Damasco com altifalantes tocando músicas nacionalistas. Centenas de pessoas começaram a reunir-se na histórica praça Omayyad, da capital síria, acenando bandeiras sírias, russas e iranianas, batendo palmas e dançando.

A presidência da Síria reagiu, entretanto, na rede social Twitter, garantindo que "boas almas não serão humilhadas".

A televisão síria adiantou que três civis ficaram feridos num dos ataques liderados pelos Estados Unidos contra uma base militar em Homs, embora a incursão tenha sido alegadamente intercetada.

O presidente dos EUA, Donald Trump, ordenou hoje uma ofensiva conjunta com a França e o Reino Unido contra alvos associados a armamento químico na Síria, em resposta a um alegado ataque químico que terá sido perpetrado pelo governo de Bashar Al Asad.

Segundo o Pentágono, a ofensiva consistiu em três ataques contra instalações utilizadas para produzir e armazenar armas químicas, informou o Pentágono.