Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Rússia pede a Israel que não intervenha na Síria

Mikhail Svetlov/GETTY

O pedido foi feito durante uma conversa telefónica entre Putin e Netanyahu. Primeiro-ministro israelita pede ao Irão para não “testar a determinação de Israel”, enquanto Putin insiste que é “importante” manter a soberania da Síria. Presidente dos EUA afirma que as relações com a Rússia estão piores do que no tempo da Guerra Fria

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, pediu ao primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, que não tome medidas na Síria capazes de ameaçar a sua segurança. O pedido foi feito durante uma conversa telefónica esta quarta-feira, durante a qual Netanyahu disse que o seu país não permitirá que o Irão estabeleça uma presença militar na Síria.

Pouco tempo depois do telefonema, Netanyahu pedia ao Irão para não “testar a determinação de Israel”, enquanto Putin insistiu que é “importante” manter a soberania da Síria.

Israel está em alerta máximo para qualquer retaliação iraniana após a ameaça direta de Teerão na terça-feira, bem como para qualquer ataque dos EUA contra o regime sírio de Assad em resposta ao ataque químico de sábado em Douma.

Num evento para assinalar o Holocausto, esta quarta-feira, Netanyahu também condenou o ataque químico, dizendo que “o mal assassino que não é enfrentado espalha-se rapidamente”.

Entretanto, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, avaliou no Twitter o estado das relações EUA-Rússia, escrevendo que “o relacionamento é pior agora do que nunca e isso inclui a Guerra Fria”. Mas, a seguir, contrapôs: “A Rússia precisa da nossa ajuda para a sua economia, algo que seria muito fácil de conseguir, e precisamos que todas as nações trabalhem juntas”.

Em resposta, o Kremlin afirmou que não faz “diplomacia de Twitter”. O porta-voz Dmitry Peskov disse que a Rússia apoia “abordagens sérias” e continua a “acreditar que é importante não tomar medidas que possam prejudicar uma situação já frágil”.

  • Um “ato avulso e meramente reativo e errático, sem antecedentes nem consequentes”

    Há suspeitas de um novo ataque químico na Síria e Trump quer reagir. França também. O Reino Unido idem. Querem atacar, bombardear - estão a ponderá-lo, não o determinaram. Mas o que há de fazer um bombardeamento pelas vítimas de um ataque químico que ainda não se sabe se foi mesmo um ataque químico? E o que nos diz isto sobre a “nova Europa”, com Macron a aparecer e Theresa May a sobreviver?

  • Rússia, “prepara-te”, avisa Donald Trump

    O Presidente dos Estados Unidos alertou a Rússia, esta quarta-feira, para um ataque militar iminente na Síria. Trump diz também que a relação bilateral entre Washington e Moscovo está pior do que nos tempos da Guerra Fria