Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Síria: Rússia apresenta hoje na ONU projeto para investigação a ataque químico

KIRILL KUDRYAVTSEV/GETTY

A Rússia vai apresentar hoje na ONU um projeto de resolução exigindo "um inquérito" por peritos da Organização para a Proibição de Armas Químicas ao alegado ataque químico a Douma, Síria, anunciou o chefe da diplomacia russa.

A Rússia vai apresentar hoje na ONU um projeto de resolução exigindo "um inquérito" por peritos da Organização para a Proibição de Armas Químicas ao alegado ataque químico a Douma, Síria, anunciou o chefe da diplomacia russa.

"Vamos entregar hoje na ONU um projeto de resolução exigindo a realização de um inquérito", disse Serguei Lavrov.

"Estamos interessados em que peritos independentes da OPAQ", a Organização para a Proibição de Armas Químicas, participem nesse inquérito e, para que "cumpram as suas obrigações", devem "necessariamente deslocar-se ao local", disse.
Lavrov acrescentou que as forças russas na Síria estão em condições de garantir a segurança dos inspetores da OPAQ.

"Não podemos continuar a fazer fé nos resultados das investigações que são feitas à distância", prosseguiu, evocando o ataque com gás sarin contra a localidade de Khan Sheikhun, que em abril de 2017 fez mais de 80 mortos, atribuído ao regime sírio pelos Estados Unidos e seus aliados.

Os Estados Unidos devem apresentar também hoje um projeto de resolução para a instituição de um mecanismo de investigação internacional sobre o recurso a armas químicas na Síria, mas a Rússia já considerou que ele contém "elementos inaceitáveis".
Mais de 40 pessoas morreram no sábado num ataque contra a cidade rebelde de Douma, em Ghouta Oriental, que segundo organizações não-governamentais no terreno, foi realizado com armas químicas.

A oposição síria e vários países acusam o regime de Bashar al-Assad da autoria do ataque, mas Damasco nega e o seu principal aliado, a Rússia, afirmou que peritos russos que se deslocaram ao local não encontraram "nenhum vestígio" de substâncias químicas.
Na segunda-feira, a Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ) anunciou que "realizou uma análise preliminar das informações" sobre o ataque em Douma e que uma equipa de investigadores está a tentar reunir mais elementos "para determinar se foram utilizadas armas químicas".