Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

China considera impossível negociar com os EUA para evitar guerra comercial

Xi Jinping e Donald Trump durante a visita do presidente americano à China em novembro passado

JIM WATSON/GETTY

Geng Shuang diz não ser possível saber qual a "verdadeira motivação" dos EUA. Caso o país norte-americano avance com novos impostos a China irá adotar contramedidas. O porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros relembra que a China "cumpre sempre as suas promessas"

O Governo chinês assegurou esta segunda-feira que é impossível negociar com os Estados Unidos para evitar uma guerra comercial devido à postura de Washington, que ameaça continuar a aumentar as taxas alfandegárias sobre produtos chineses.

"Nas atuais circunstâncias, é impossível empreender negociações comerciais e as fricções são culpa dos EUA", afirmou Geng Shuang, porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros.

"Os EUA, por um lado, ameaçam com sanções e, por outro, dizem querer negociar, mas não sabemos qual a verdadeira motivação", afirmou Geng, em conferência de imprensa.

O porta-voz assegurou que a China retaliará as medidas protecionistas de Washington.

"Se os EUA anunciarem finalmente novos impostos no valor de 100.000 milhões de dólares, adotaremos imediatamente contramedidas", afirmou.

O porta-voz advertiu que "o povo chinês cumpre sempre as suas promessas".

"Ninguém nos deve subestimar na hora de salvaguardar os nossos direitos e interesses legítimos", acrescentou Geng, notando que a possibilidade de uma guerra comercial entre Washington e Pequim afetou sobretudo as praças financeiras norte-americanas.

Os EUA divulgaram, na semana passada, uma lista de importações chinesas às quais propõem aplicar taxas alfandegárias, como retaliação pela "transferência forçada de tecnologia e propriedade intelectual norte-americana".

Em reação, Pequim ameaçou subir os impostos sobre um conjunto de produtos norte-americanos, que em 2017 valeram 50.000 milhões de dólares (40.700 milhões de euros) nas importações chinesas.

Trump reagiu no fim de semana e ameaçou subir as taxas alfandegárias para produtos chineses num valor adicional de 100.000 milhões de dólares (81.000 milhões de euros).

Observadores consideram que as crescentes disputas comerciais entre a China e os EUA podem levar outros países a aumentar as barreiras às importações, abalando o comércio mundial.