Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Viktor Orbán vence eleições na Hungria com 41% dos votos

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, e a sua mulher votaram em Budapeste

BERNADETT SZABO/REUTERS

O partido Jobbik, o seu principal opositor, deverá ficar-se pelos 22%, e em terceiro o Partido Socialista com 15%, de acordo com as primeiras projeções

Segundo as primeiras projeções, o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, venceu este domingo pela quarta vez, a terceira com maioria absoluta consecutiva, as eleições legislativas na Hungria.

O seu partido, o Fidesz, deverá obter 41% dos votos, enquanto o partido de extrema-direita, Jobbik, o seu principal opositor, deverá ficar-se pelos 22%, e em terceiro o Partido Socialista com 15%. Estes resultados devem traduzir-se numa confortavel maioria de 116 deputados num Parlamento com 199 lugares.

As urnas fecharam às 19h locais (18 horas em Lisboa), mas várias assembleias de voto permaneceram abertas para garantir que todos os eleitores que esperavam em longas filas pudessem exercer o seu direito de voto.

Números divulgados meia hora antes do encerramento das urnas pelo Gabinete Nacional de Eleições húngaro davam conta de uma afluência às urnas a rondar os 68,13 por cento. Este número superou os 61,73 por cento verificados nas eleições de 2014.

As eleições gerais na Hungria eram esperadas com atenção em toda a Europa devido ao endurecimento das políticas, nomeadamente anti-emogração, daquele país nos últimos anos.

  • “Repitam: direitos humanos”

    O tratamento dos refugiados e das minorias é o espinho na quase garantida reeleição de Viktor Orbán. A Europa não se conforma com a recusa do seu governo populista em receber estas pessoas e é possível que Hungria venha a enfrentar sanções. Com a chegada das eleições, que se realizam este domingo, traçamos o perfil de uma democracia “iliberal” que é acusada de não deixar respirar a sua sociedade civil. E falámos com o governo de Orbán, que garante que “nunca vai ceder”