Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Este país é um segredo, que aqui se revela

O National Geographic promete um novo olhar sobre a Coreia do Norte

Composto por quatro episódios, o “Especial: Coreia do Norte” tem estreia marcada para este sábado no National Geographic e promete revelar o que esconde o país mais misterioso do mundo

Está no centro das atenções de todo o mundo, mas é ao mesmo tempo o lugar menos conhecido do globo. Que mistérios envolvem a Coreia do Norte, o país que quase parece ficção mas cuja realidade tanto intriga o Ocidente? A pergunta não é de resposta fácil. E é possível que haja mais do que uma justificação pronta a ser dada. A narrativa do regime difere de tudo o que quem observa os passos de Kim Jong-un relata, no entanto é ainda necessário conhecer mais a fundo como pensa o ditador norte-coreano.

O “Especial: Coreia do Norte”, que ocupa a programação do National Geographic nas noites de sábado deste mês, promete um novo olhar sobre o território mais isolado da comunidade internacional e trará novas informações sobre o país asiático aos telespectadores nacionais. De acordo com o canal dedicado à programação documental, “a vida do líder norte-coreano, a dinastia Kim no poder há 60 anos, a subida ao poder do mais jovem do clã e a ameaça nuclear são os temas explorados” nesta iniciativa da National Geographic composta por “quatro obras documentais” em que se pretende “desvendar algumas questões sobre o carismático líder”.

A comandar os destinos da Coreia do Norte desde 2011, Kim Jong-un é hoje é uma das figuras políticas mais carismáticas do mundo mas isso não faz dele uma personalidade consensual. Se aqueles que o seguem o veem como se de um Deus se tratasse, os que estão fora do seu território de influência — incluindo os que fugiram do país — veem-no como um perigoso ditador que não olha a meios para atingir os seus fins. ‘Kim Jong-un: Biografia Não Autorizada’ (hoje, 22h30) foi a escolha da National Geographic para retratar este “jovem homem criado em segredo para tomar conta do regime da Coreia do Norte, a primeira dinastia comunista da História”.

Deixando de lado os retratos que todos conhecem de Kim — não há quem não conheça imagens absurdas do político norte-coreano —, os responsáveis pelo documentário viajaram até à Suíça, aos Estados Unidos e à Ásia com o objetivo de encontrarem pessoas que tenham conhecido Kim Jong-un, de modo a traçarem um perfil fidedigno do ditador comunista. Homem de muitos segredos, o “príncipe vermelho” revela-se através dos testemunhos daqueles que com ele se cruzaram, numa altura em que o braço de ferro entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos continua a ganhar novos capítulos (e alguns revezes). ‘Bastidores da Coreia do Norte: A Dinastia Kim’ (dia 14) é o nome do documentário que fará uma análise aprofundada do atual regime da República Popular Democrática da Coreia. Neste segundo episódio, o canal conta com histórias de desertores, celebridades, fotógrafos e jornalistas que visitaram o país nos últimos anos para mostrar como se vive hoje na República Popular Democrática da Coreia.

A verdade é que Kim Jong-un é também ele um produto do mundo em que foi criado e a história continua a ser contada em ‘Coreia do Norte, A Grande Desilusão’ (dia 21), onde se mostra como o passado influenciou o presente (e pode continuar a ter repercussões no futuro). Aqui lembra-se também a forma como a morte do pai, Kim Jong-il, foi encarada com esperança pelos observadores — que consideravam que a chegada ao poder de um jovem com educação ocidental podia trazer abertura ao regime — e como essas mesmas expectativas acabaram goradas. O documentário conta ainda com o testemunho de um jornalista que esteve na Coreia do Norte em 2014, onde ficou a conhecer o que se passa por trás das cortinas: a realidade de um país na miséria onde tudo o que interessa é o culto da personalidade.

O “Especial: Coreia do Norte” termina com ‘Coreia do Norte: Jogos Perigosos’ (dia 28), onde o correspondente da ABC News Bob Woodruff contextualiza os vários cenários em cima da mesa num período que pode ser de mudança. Depois das trocas de acusações entre o regime de Pyongyang e a Casa Branca de Trump, segue-se agora aquela que parece ser uma nova fase da História. A participação da Coreia do Norte nos Jogos Olímpicos de PyeongChang (na Coreia do Sul) foi o primeiro momento de abertura em muito tempo, mas ainda é cedo para perceber o que significa este alívio da tensão entre as duas Coreias. Será realidade ou ficção? Esta semana, Kim Jong-un foi a um concerto de uma banda sul-coreana de K-pop.