Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

“É preciso executar a sentença. Tão simples quanto isso”, afirma o juiz Sérgio Moro

EVARISTO SA/GETTY

Numa entrevista ao canal televisivo chinês CGTN, o juiz brasileiro que está à frente do caso Lava-Jato diz que a ordem de prisão de Lula era inevitável

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

“Ele foi condenado por lavagem de dinheiro e corrupção e é preciso executar a sentença. É tão simples quanto isso”, afirmou o juiz brasileiro Sérgio Moro sobre a celeridade na ordem de prisão do ex-presidente Lula da Silva, após o Supremo Tribunal Federal ter recusado, na quinta-feira, o pedido de habeas corpus dos advogados de Lula.

Em entrevista à estação televisiva chinesa CGTN, o juiz Sérgio Moro disse ainda não ver “nenhuma razão particular para adiar mais” a execução da sentença, que condenou Lula a 12 anos e um mês de prisão por corrupção, no caso que envolveu o seu apartamento triplex no Guarujá (no Estado de São Paulo) e a construtora OAS.

Na mesma entrevista, Sérgio Moro admitiu não se sentir confortável em responder a questões específicas sobre o caso de Lula, mas notou que se limitou a cumprir uma ordem do tribunal de segunda instância para a detenção do ex-presidente brasileiro.

“Não posso escolher não cumprir essa ordem”, declarou o juiz de Curitiba, que lidera os processos relacionados com a operação Lava-Jato.

Lula foi intimado a entregar-se à Polícia Federal até às 17h (21h em Lisboa) desta sexta-feira. Contudo, o ex-presidente permaneceu no Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo (Estado de São Paulo), onde passou esta noite.

Segundo a imprensa brasileira, Lula terá já acordado com as autoridades entregar-se voluntariamente este sábado, após uma missa em homenagem à sua mulher, Marisa Letícia, falecida há pouco mais de um ano.