Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Dilma destaca compromisso de Lula “com os mais pobres”

A ex-presidente brasileira apelou à paz numa intervenção junto ao Sindicato dos Metalúrgicos, durante a missa de homenagem à falecida mulher de Lula da Silva

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

A ex-presidente brasileira, Dilma Rousseff, afirmou este sábado, durante uma missa de homenagem à falecida mulher de Lula da Silva, Letícia Marisa, que “o presidente Lula é um homem de fé” e “teve um compromisso com os mais pobres”.

Numa curta mensagem durante a homenagem em São Bernardo do Campo, no Estado de São Paulo, junto ao Sindicato dos Metalúrgicos, Dilma Rousseff elogiou Lula e o seu contributo para o Brasil enquanto presidente, mas também apelou ao espírito de paz.

“Nós somos da paz, não somos nem da injustiça nem da violência”, afirmou Dilma Rousseff.

Após a intervenção da ex-presidente, os milhares de apoiantes de Lula da Silva várias vezes apelaram a que o antigo líder do Partido dos Trabalhadores não se entregue à Polícia Federal.

Lula da Silva tinha até às 17h de sexta-feira para se apresentar na Polícia Federal, para cumprir 12 anos e um mês de prisão, sentença a que foi condenado por um crime de corrupção envolvendo um apartamento em Guarujá e a construtora OAS.

Lula não se entregou às autoridades, tendo os seus advogados negociado que a prisão aconteça só após a missa deste sábado junto ao Sindicato dos Metalúrgicos.

  • “Vamos ter uma imagem para rodar o mundo e o Brasil.” Mas não tiveram

    A dado momento de uma sexta-feira confusa, contraditória, surpreendente, alguém disse que Lula deveria ser preso rodeado de uma multidão, uma espécie de criação automática de um mito: “Vai ser com um mar de gente aqui na frente. Quem se entrega parece que tem culpa e não é o caso do presidente Lula. Vamos ter uma imagem para rodar o mundo e o Brasil”. Até ao início da madrugada deste sábado, hora portuguesa, não havia nem mito nem imagem para o mundo: Lula não se entregou. É um preso livre

  • Porque é Lula tão popular, tão perseguido, tão odiado, tão fraturante? Uma explicação possível via WhatsApp

    Marina Chiari gostava tanto de política que acabou por deixar de gostar. Porque se desencantou. Apanhámo-la no meio da Amazónia, em Belém do Pará, via WhatsApp. E no Brasil fala-se português cantado e brasileiro que ama esta sua canção não tem medo de se ouvir - e por isso grava áudio no WhatsApp em vez de escrever. E o áudio de Marina, que desistiu do jornalismo para se tornar professora, explica um Brasil que apanhou um vírus, o da corrupção, em que os anticorpos não expulsam o atacante mas acomodam-no

  • Quer ouvir como tudo começou?

    A dado momento, Chico Bicudo diz assim: “Os sem terra, os sem teto, os estudantes, as mulheres, os meninos, bancários, professores, metalúrgicos, químicos, gente da cidade e do campo vai-se misturando nessa perspetiva de defesa da liberdade de Lula”. E quem é Chico Bicudo? É escritor, professor e ativista. E onde estava Chico Bicudo? No Sindicato dos Metalúrgicos, em São Paulo, onde se encontra o ex-presidente brasileiro - que não se entregou à polícia. E que fez Chico Bicudo? Pegou no telemóvel e gravou um áudio no WhatsApp que enviou ao Expresso para relatar como centenas e centenas de pessoas se começaram a reunir para mostrar apoio a Lula