Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Lula diz à Folha de S. Paulo que não se vai entregar em Curitiba

Victor Moriyama/Getty Images

Em conversa telefónica com o jornal brasileiro, o antigo Presidente brasileiro disse que estava “tranquilo e bem disposto” e que já tinha feito os exercícios matinais habituais. Juiz Sérgio Moro ordenou que Lula se entregue voluntariamente à polícia

Helena Bento

Helena Bento

Jornalista

Em conversa telefónica esta manhã com o jornal “Folha de S. Paulo”, Lula da Silva disse que não se vai entregar no departamento da Polícia Federal de Curitiba, no estado do Paraná, sul do Brasil, conforme ordenou o juiz Sérgio Moro.

Foi ordenado ao antigo presidente brasileiro que se apresentasse até às 17h00 desta sexta-feira (21h em Portugal) naquele local.

Na mesma conversa, Lula disse que estava “tranquilo e bem disposto”, e que já tinha feito os exercícios matinais habituais, depois de ter passado a noite na sede do Sindicato dos Metalúrgicos, na cidade brasileira de São Bernardo do Campo (São Paulo), na companhia dos filhos, amigos e dirigentes do partido. É lá que tenciona permanecer durante esta sexta-feira.

Na quinta-feira à noite, os advogados de Lula da Silva avançaram com um novo pedido de habeas corpus para evitar que o antigo presidente seja preso. O recurso foi apresentado no Supremo Tribunal de Justiça (STJ), com o argumento de que ainda há recursos a serem apresentados junto do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), o que implica que a pena não pode começar a ser cumprida até que esses recursos sejam analisados. O antigo Presidente brasileiro foi condenado em duas instâncias por corrupção e branqueamento de capitais. A defesa de Lula da Silva terá ainda apresentado um pedido de medida cautelar à ONU a denunciar aquilo que definem como “prisão arbitrária”, noticiou também a “Folha de S. Paulo”.

Em comunicado divulgado esta sexta-feira, a central sindical portuguesa União Geral de Trabalhadores (UGT) exigiu que Lula seja mantido em liberdade “em nome da justiça e democracia brasileiras” e mostrou-se preocupada com a rejeição pelo Supremo Tribunal Federal do pedido de habeas corpus do ex-presidente Lula da Silva.