Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Defesa de Lula avança com novo habeas corpus para evitar prisão

MARCELO CHELLO/EPA

Os advogados de Lula da Silva tentam ganhar tempo para evitar a detenção do antigo presidente brasileiro, que passou a noite e a madrugada na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, no estado de São Paulo

Os advogados do ex-presidente Lula da Silva avançaram esta quinta-feira à noite com um novo pedido de habeas corpus para evitar que este seja preso. O recurso foi apresentado no Supremo Tribunal de Justiça (STJ), com o argumento de que ainda há recursos a serem apresentados junto do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), o que implica que a pena não poderá começar a ser cumprida até que esses recursos sejam analisados.

O juiz Sérgio Moro ordenou que Lula se apresente até às 17 horas desta sexta-feira (21h em Portugal) à Polícia Federal, em Curitiba, iniciando-se assim o cumprimento da pena.

Numa nota enviada antes do recurso, a defesa de Lula da Silva condenou a decisão do juiz, afirmando que “a expedição de mandado de prisão nesta data contraria a decisão proferida pelo próprio TRF-4 no dia 24/01, que condicionou a providência - incompatível com a garantia da presunção da inocência - ao exaurimento dos recursos possíveis de serem apresentados para aquele Tribunal, o que ainda não ocorreu”.

Lula passou a noite no Sindicato dos Metalúrgicos

Depois de conhecer a decisão do juiz Sérgio Moro, o ex-presidente do Brasil passou a noite de quinta-feira e a madrugada de sexta na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (estado de São Paulo), onde teve a companhia de outros líderes do Partido dos Trabalhadores (PT). Um grupo de manifestantes também passou a madrugada em frente à sede do sindicato em sinal de apoio ao dirigente histórico do PT.

Durante a madrugada, pouco antes da 1h, Lula cumprimentou os militantes que estavam no segundo andar do prédio do sindicato e foi visto pela última vez por volta das 2h, quando acenava para os apoiantes que não arredaram pé do lado de fora do edifício.