Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Juíza considerada decisiva votou contra Lula

Juiza Rosa Weber, que votou contra o pedido de habeas corpus de Lula da Silva desequilibrando as contas contra o ex-Presidente

VICTORIA SILVA/Getty

A magistrada Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal, votou contra o habeas corpus. Com a sessão interrompida e faltando votar seis juízes, tudo aponta para uma maioria de 6-5 a favor do ingresso do ex-Presidente Lula da Silva na prisão

Pedro Cordeiro

Pedro Cordeiro

Editor da Secção Internacional

O Supremo Tribunal Federal brasileiro está a votar sobre o pedido de habeas corpus do ex-Presidente do Brasil e o atual estado de coisas torna provável que Lula da Silva receba ordem de prisão nos próximos dias. Com cinco votos emitidos e seis por conhecer, só o juiz Gilmar Mendes votou a favor do antigo chefe de Estado.

Pelas 23h30 na hora portuguesa (17h30 no Brasil) houve uma pausa na sessão, depois de a juíza Rosa Weber ter emitido o seu voto contrário à defesa de Lula. Esta magistrada era considerada pela imprensa brasileira a voz decisiva no desfecho da decisão, já que o seu sentido de voto não era conhecido e, entre os restante painel, antevia-se um empate a cinco. De momento os juízes Edson Fachin, Alexandre de Moraes e Lús Roberto Barroso votaram contra Lula, tal como Weber.

Uma eventual rejeição do pedido de habeas corpus não implica prisão imediata. É possível interpor mais um recurso, até 10 de abril, no Tribunal de Porto Alegre que condenou Lula em segunda instância por corrupção, ainda que seja improvável uma reversão dessa condenação. Se esse último recurso for apresentado e rejeitado, o juiz Sérgio Moro poderá decretar o ingresso do ex-Presidente na cadeia.