Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Ali Khamenei pior do que Hitler, defende príncipe herdeiro da Arábia Saudita

Mohammed bin Salman, príncipe herdeiro da Arábia Saudita, é o homem forte de Riade neste momento

FOTO JONATHAN ERNST/GETTY IMAGES

Em entrevista à revista “The Atlantic”, Mohammed bin Salman defendeu ainda que os israelitas têm o direito de viver pacificamente na sua própria terra. O príncipe saudita está de visita aos Estados Unidos para angariar investimentos e num esforço de contenção da influência iraniana

“O líder supremo iraniano faz Hitler parecer bom. Hitler não fez o que [Ali Khamenei] está a tentar fazer. Hitler tentou conquistar a Europa. O líder supremo está a tentar conquistar o mundo.” Foi desta forma contundente que o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, se referiu ao ayatollah iraniano numa entrevista publicada, esta segunda-feira, na revista americana “The Atlantic”.

O príncipe saudita defendeu ainda que os israelitas têm o direito de viver pacificamente na sua própria terra, uma declaração que está a ser entendida como mais um sinal público do estreitamento das relações entre Riade e Telavive. “Acredito que os palestinianos e os israelitas têm o direito de ter a sua própria terra”, precisa, sublinhado, no entanto, ser necessário “um acordo de paz para assegurar a estabilidade para todos”.

Em visita aos Estados Unidos para angariar investimentos e desenvolver esforços no sentido da contenção da influência iraniana, MbS (como é conhecido) afirmou ter “preocupações religiosas sobre o destino da Santa Mesquita em Jerusalém [Mesquita de Al-Aqsa] e sobre os direitos do povo palestiniano”. “Isso é o que nós sentimos. Não temos nenhuma objeção contra qualquer outro povo”, acrescentou.

Segundo a agência de notícias Reuters, a escalada da tensão entre Teerão e Riade alimentou especulações de que interesses comuns podem levar a Arábia Saudita e Israel a trabalharem juntos contra o que ambos veem como uma ameaça iraniana.

A Arábia Saudita condenou a decisão do Presidente dos EUA, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel, no ano passado. Contudo, autoridades árabes disseram, na altura, à agência de notícias que Riade parece partilhar de uma estratégia americana mais ampla para um plano de paz israelo-palestiniano nas suas fases iniciais de desenvolvimento.