Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Nem no Minho nem no Porto: Tiangong-1 despenhou-se no Pacífico Sul

Em setembro de 2011, a China lançou a sua primeira estação espacial, a Tiangong-1.

Lintao Zhang/Getty Images

Estação espacial chinesa desfez-se quase por completo antes de reentrar na atmosfera terrestre nas primeiras horas de segunda-feira

A estação espacial chinesa Tiangong-1 despenhou-se no Oceano Pacífico à 01h16 de Lisboa, tendo-se desfeito quase na totalidade ao reentrar na atmosfera terrestre. A informação foi avançada pela agência espacial da China e confirmada pelos Estados Unidos.

O astrónomo Jonathan McDowell, do Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian, escreveu no Twitter que a zona de impacto terá sido a noroeste do Taiti, falhando o “cemitério de naves espaciais”, que fica mais a sul.

A Tiangong-1 foi lançada em 2011 para levar a cabo experiências de encaixe e órbita, mas estava fora de controlo desde 2016. A estação fazia parte do ambicioso programa espacial da China, que pretende colocar em órbita uma estação permanente até 2023.

Nos últimos dias, especulou-se sobre qual seria a zona de impacto e quais os danos que poderia provocar. Em Portugal, chegou a considerar-se que poderia despenhar-se entre o Minho e a cidade do Porto, ainda que a probabilidade fosse muito reduzida.

A Agência Espacial Europeia previu que a Tiangong-1 iria despenhar-se na água e que a probabilidade de alguém ser atingido por algum destroço da estação era “10 milhões menor do que a probabilidade anual de se ser atingido por um raio”.

  • A viagem da Tiangong-1 está quase a chegar ao fim

    Estação espacial chinesa deve entrar na atmosfera terrestre a partir da meia-noite. Mas a região aproximada onde poderão ser vistos os destroços é quase impossível de definir. A probabilidade de alguém ser atingido por um pedaço da estação espacial é milhões de vezes menor do que ser atingido por um raio

  • Queda de estação espacial chinesa prevista para sábado

    A China minimiza o impacto da entrada na atmosfera da estação espacial chinesa Tiangong-1, prevista para este fim de semana, e promete mesmo que será um espetáculo magnífico, semelhante a uma chuva de meteoros. Mas a central pode vir a cair na região norte de Portugal