Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Rússia vai expulsar 60 diplomatas americanos

MAXIM SHIPENKOV / POOL / EPA

O consulado norte-americano em São Petersburgo será encerrado, anunciou o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, segundo o qual será dada uma resposta semelhante aos outros países que se aliaram ao Reino Unido, o que poderá implicar a expulsão de mais de 150 diplomatas de Moscovo

O ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, anunciou esta quinta-feira a expulsão de 60 diplomatas norte-americanos de Moscovo. Segundo Lavrov, vai ser dada uma resposta semelhante aos países que se aliaram ao Reino Unido, o que poderá implicar a expulsão de mais de 150 diplomatas de Moscovo.

Em conferência de imprensa, Sergei Lavrov afirmou que a Rússia vai responder de forma “recíproca” à expulsão de diplomatas russos dos EUA. “As medidas a tomar incluem a expulsão do mesmo número de diplomatas e o encerramento do consulado norte-americano em São Petersburgo”.

O ministro russo anunciou ainda que Moscovo pediu uma reunião com a Organização para a Proibição de Armas Químicas, em Londres.

A informação sobre a expulsão de diplomatas americanos também foi transmitida ao embaixador norte-americano na Rússia, Jon Hunstsman, que foi chamado ao Ministério dos Negócios Estrangeiros russo.

Já esta quinta-feira de manhã, Sergei Lavrov acusou o Reino Unido de quebrar a lei internacional ao recusar-se a cooperar com a Rússia e fornecer informação sobre a filha de Sergei Skripal, que também foi envenenada no dia 4 de março.

Depois de uma sobrinha do antigo espião russo ter dito que este e a filha tinham poucas hipóteses de sobreviver, as autoridades de saúde locais informaram que Yulia Skripal já não se encontra em estado crítico e que está a “melhorar rapidamente”. Já Sergei Skripal mantém-se em estado crítico, mas estável.

Os detetives britânicos responsáveis pela investigação ao envenenamento do antigo espião russo informaram na quarta-feira ter detetado a maior concentração de gás neurotóxico à porta de casa das vítimas, em Salisbury, sul de Inglaterra.