Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Surpresa. Kim Jong-un está numa visita não anunciada a Pequim

ED JONES/Getty Images

A notícia está a ser avançada pela agência Bloomberg, que cita várias fontes, para garantir que o líder norte-coreano está na capital chinesa, na sua primeira deslocação ao exterior desde que ascendeu ao poder há seis anos

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, está em Pequim, numa visita histórica que as autoridades chinesas não confirmam e que antecede a cimeira com os Presidentes sul-coreano e norte-americano, noticia esta terça-feira a agência Bloomberg.

A Bloomberg cita múltiplas fontes, sem mencionar nomes "devido à sensibilidade da informação", para garantir que Kim está na capital chinesa, na sua primeira deslocação ao exterior desde que ascendeu ao poder, em 2012.

Na segunda-feira à noite, duas emissoras japonesas noticiaram a chegada de um comboio com origem na Coreia do Norte a Pequim, e um invulgar reforço da segurança em torno da residência onde altos quadros de Pyongyang costumam ficar na capital chinesa.

As ruas em torno da Residência de Hóspedes Oficiais Diaoyutai estão esta terça-feira bloqueadas, enquanto agentes da polícia à paisana impedem fotógrafos de se aproximar do local, segundo a agência Associated Press.

Um vídeo transmitido pela televisão japonesa NTV mostra várias limusinas pretas a aguardar na estação de comboios e soldados chineses a marchar na plataforma da estação, na noite de segunda-feira.

Reportagens dão ainda conta de que foram tomadas fortes medidas de segurança na Ponte da Amizade, que liga a Coreia do Norte à China, antes do comboio atravessar.

O comboio verde e amarelo, com 21 carruagens, é semelhante àquele que anteriormente transportou o ex-líder norte-coreano Kim Jong il, na sua última deslocação a Pequim, em 2011.

Uma porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros disse não ter informações, enquanto a imprensa norte-coreana não noticiou qualquer visita oficial a Pequim.

O governo da Coreia do Sul afirmou, entretanto, que "mantém comunicações próximas com os países relevantes e que está a acompanhar a situação".

Kim Jong-un tem encontros planeados com o Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, no final de abril, e com o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em maio.

Mas apesar de um encontro com líderes chineses não ter sido falado, Pequim continua a ser o mais importante aliado do regime norte-coreano.

Os dois países são aliados ideológicos, apesar do crescente distanciamento devido ao programa nuclear e de misseis balísticos empreendido por Pyongyang.

Na semana passada, o jornal oficial do Partido Comunista Chinês "Global Times" defendeu a importância da aliança entre Pequim e Pyongyang.

"Será difícil e perigoso [para Pyongyang] lidar só com Seul, Washington e Tóquio. O apoio da China pode reduzir em muito os riscos", afirmou.

O jornal lembrou que a aliança com a Coreia do Norte "favorece a estratégia periférica de Pequim e cria mais espaço para a China gerir os assuntos do nordeste da Ásia".

"Acreditamos ser extremamente necessário manter relações amigáveis entre a China e a Coreia do Norte e minimizar o impacto de outros países nesses laços", disse.