Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Défice de 2017: Bruxelas à espera da confirmação do Eurostat

PATRIK STOLLARZ/Getty

O gabinete de Estatísticas da Comissão Europeia deverá publicar os números do défice a 23 de abril. Bruxelas diz que a avaliação do caso português será feita em maio

A Comissão Europeia diz que "tomou nota" das estimativas anunciadas esta segunda-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), que apontam para que a injeção de capital na Caixa Geral de Depósitos tenha empurrado o défice de 2017 para os 3% do PIB.

No entanto, escusa-se a fazer comentários ou a explicar se o número, mesmo fazendo subir o défice, evita a abertura de um procedimento por défice excessivo, uma vez que não é ultrapassada a barreira dos 3% do PIB.

"Temos de esperar pelos valores harmonizados do Eurostat, que vão ser publicados a 23 de abril", disse o porta-voz da Comissão para os Assuntos Económicos. "Depois a Comissão vai avaliar, em maio, a situação nos vários estados-membros, no âmbito do Semestre Europeu, de acordo com a nossa previsão", disse ainda Christian Spahr.

Nas várias previsões económicas, Bruxelas tem alertado sempre para a possibilidade de a injeção de capital na Caixa Geral de Depósitos poder fazer derrapar o défice de 2017. No entanto, por ser considerada uma medida extraordinária (one off), o executivo comunitário nunca se mostrou demasiado preocupado com a possibilidade de reabertura do Procedimento por Défice Excessivo, caso o valor fosse umas décimas além dos 3% do PIB.

Os números avançados esta segunda-feira pelo INE mostram um défice que não passou a linha vermelha. Falta agora a confirmação do Eurostat.

  • Guerra aberta entre Portugal e o Eurostat por causa do défice de 2017

    Instituto Nacional de Estatística e Governo estão contra a decisão do Eurostat de contabilizar a recapitalização da CGD no défice, que fica assim nos 3%. Numa carta enviada ao INE a 25 de janeiro, o Eurostat já aponta que a injeção total de capital suportada pelo Estado deve ser contabilizada no défice. Mário Centeno diz que isso está “errado”

  • Mário Centeno: Eurostat “está errado”

    O ministro das Finanças reafirmou que o défice das contas públicas em 2017 foi de 0,9% do PIB e não 3%, já que a decisão do Eurostat de incluir no défice a recapitalização da CGD está errada

  • Caixa Geral de Depósitos leva défice de 2017 para os 3% do PIB

    Afinal, o défice das contas públicas atingiu 3% do PIB no ano passado, avançou o Instituto Nacional de Estatística esta segunda-feira. Tudo por causa da CGD. Operação de recapitalização do banco público foi levada ao défice por decisão do Eurostat. INE não concorda