Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Tudo o que se sabe até ao momento sobre o sequestro em França que fez pelo menos três mortos

Reuters

Várias pessoas foram sequestradas num supermercado de Trèbes, perto de Carcassonne, por volta das 11h (menos uma hora em Portugal Continental). O primeiro-ministro francês já admitiu que tudo aponta para um ataque terrorista. O ministro do Interior confirmou que o atirador, de nacionalidade marroquina, foi abatido pela polícia

Um homem sequestrou esta sexta-feira oito pessoas num supermercado de Trèbes, perto de Carcassonne, a cerca de 700 quilómetros de Paris. O Ministério do Interior francês confirmou a morte de três pessoas e a existência de cinco feridos. Gérard Collomb, o ministro do Interior, confirmou que o atirador foi abatido pela polícia.

O ministro do Interior confirmou que o atirador era um cidadão de origem marroquina vigiado há já algum tempo por se ter radicalizado ao grupo terrorista. Nasceu em 1992 em Marrocos e desde 2013 que estava no radar da inteligência francesa.

Gérard Collomb confirmou que o atirador matou uma terceira pessoa com um tiro na cabeça antes de se ter deslocado para o supermercado.

O “Le Figaro” adianta que outros dois agentes da polícia ficaram feridos esta sexta-feira. O homem entrou no supermercado por volta das 11h (10h em Lisboa) armado com facas, pistolas e granadas, segundo a imprensa francesa. O canal de televisão BFMTV diz que o homem exigiu a libertação de Salah Abdeslam, o único sobrevivente dos terroristas envolvidos nos ataques do Daesh no Bataclan, em Paris, em novembro de 2015.

Para o local foram mobilizados dois helicópteros da polícia militar, 80 bombeiros e muitas equipas de emergência médica.

O primeiro-ministro francês Édouard Philippe admitiu que “todas as informações indicam que se trata de um ataque terrorista”.

O Presidente francês Emmanuel Macron informou, em conferência de imprensa em conjunto com a chanceler alemã Angela Merkel, que mais pormenores sobre a situação atual dos reféns serão avançadas em breve. Macron confirmou que o incidente "parece tratar-se de um ataque terrorista".

Segundo a televisão BMFTV, pouco antes do início do sequestro, um polícia que fazia 'jogging' com outros três foi atingido a tiro num ombro por um homem que estava dentro de um automóvel quando disparou. O atirador é o mesmo homem que, em seguida, entrou no supermercado, segundo a BMFTV. A viatura foi encontrada dentro do parque de estacionamento do supermercado, indica o “Le Figaro”.

O primeiro-ministro, António Costa, já expressou esta sexta-feira em Bruxelas solidariedade a Emmanuel Macron: “Tivemos todos a oportunidade de expressar solidariedade ao Presidente Macron pelos factos que já são conhecidos e que ainda não estão inteiramente apurados", declarou Costa numa conferência de imprensa no final de uma cimeira de chefes de Estado e de Governo da União Europeia.”

A procuradoria de contraterrorismo foi encarregada de coordenar as operações no local e as autoridades da região pedem à população para evitarem aproximar-se da área à volta do supermercado.

O Presidente espanhol, Mariano Rajoy, deixou uma mensagem de solidariedade a Emmanuel Macron.

(Notícia em atualização)