Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

PC Chinês centraliza controlo sobre políticas e imprensa

epa

Após abolir o tempo máximo de permanência de um Presidente no poder, agora o Partido Comunista Chinês tem também um maior controlo sobre a imprensa, a economia e a diplomacia. A imprensa passa a ser controlada pelo Departamento de Propaganda

O Partido Comunista Chinês (PCC) vai reforçar o seu domínio sobre a imprensa, economia, Internet ou diplomacia, ao elevar o estatuto de grupos de trabalho da organização para comités, segundo um plano divulgado pela agência oficial Xinhua.

O PCC fornece já as diretrizes políticas em várias áreas, incluindo economia, negócios estrangeiros ou segurança do ciberespaço, através de grupos de trabalho que reúnem vários funcionários de diferentes setores e agências.

O novo plano, no entanto, visa "reforçar a tomada de decisões e a coordenação geral", sugerindo que as agências e ministérios do Governo terão menos espaço de manobra, passando os comités, cuja composição e diretrizes são secretas, a deter maior proeminência.

De acordo com a Xinhua, a Administração Estatal de Imprensa, Publicações, Rádio, Cinema e Televisão deixa de existir, passando o Departamento Central de Propaganda do PCC, que até agora fornecia as diretrizes gerais da mensagem a ser vinculada pela imprensa, a controlar diretamente a produção noticiosa.

Segundo o mesmo plano, as principais emissoras do país - Rádio Internacional da China, Rádio Nacional da China e Televisão Central da China - serão fundidos num novo organismo, denominado "Voz da China", sob controlo direto do Departamento de Propaganda.

Na diplomacia, "a conversão do Grupo Líder Central dos Negócios Estrangeiros num comité central, significa que as decisões da diplomacia chinesa serão mais centralizadas", afirma Shi Yinhong, diretor do Centro de Estudos Americanos da Universidade Renmin, citado pelo jornal oficial em língua inglesa Global Times.

O plano surge após o legislativo chinês ter aprovado várias emendas constitucionais, incluindo a abolição do limite de mandatos para o exercício de cargo de Presidente e um reforço do domínio do PCC em todas as esferas do país.