Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Toyota suspende testes de condução autónoma após acidente mortal da Uber

Jacky Naegelen/Reuters

A companhia automobilística conduzia testes com veículos autónomos na área de São Francisco, na Califórnia, e em Ann Arbor, no Michigan, que agora serão suspendidos. Porém, as operações em recintos fechados, nos mesmos estados, vão prosseguir

O gigante japonês Toyota decidiu suspender os testes de condução autónoma nos Estados Unidos, justificando com o impacto emocional sobre as suas equipas, após um acidente mortal com um veículo em modo de auto-condução da Uber.

A companhia automobilística conduzia testes com veículos autónomos na área de São Francisco (Califórnia) e em Ann Arbor (Michigan), onde se encontra o centro de investigação Toyota.

As outras três operações em recintos fechados, nos mesmos estados, vão prosseguir.

"Dissemos aos nossos condutores que tirem um par de dias para que possamos avaliar a situação", disse ao jornal norte-ameicano The New York Times um porta-voz da Toyota.

Apesar de os veículos autónomos funcionarem sozinhos, a Toyota tem condutores e engenheiros no seu interior por segurança.

Uma mulher morreu no domingo à noite em Temple (Arizona), quando foi atropelada por um veículo autónomo da Uber. Trata-se da primeira morte causada por uma viatura sem condutor nos EUA.

A Uber suspendeu as suas quatro operações de condução autónoma na América do Norte -- Arizona, São Francisco (Califórnia), Pittsburgh (Pensilvânia) e Toronto (Canadá) -- na sequência do acidente fatal.

Segundo o mesmo jornal, a Ford e a General Motors mantêm os seus testes com viaturas autónomas, apesar do acidente da Uber. Já o construtor alemão BMW anunciou que vai manter os seus projetos, enquanto o japonês Nissan recusou comentar.

Todas as empresas esperam comercializar veículos totalmente autónomos nos anos 2020.