Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Padre polaco diz que Papa Francisco tem duas opções: a “sabedoria” ou a “morte”

ANDREAS SOLARO/GETTY

Apelidando o Papa Francisco de “corpo estranho”, o padre católico polaco Edward Staniek criticou durante uma homilia a posição do líder máximo da Igreja Católica sobre o Islão, imigração e crise de refugiados, mas também sobre temas como o casamento católico e o divórcio

Helena Bento

Helena Bento

Jornalista

O Papa Francisco tem apenas duas hipóteses, a “sabedoria” ou a “morte”, afirmou recentemente um padre católico polaco, Edward Staniek, durante uma homilia numa igreja em Cracóvia, Polónia. “Rezo para que ele tenha sabedoria, para que abra o seu coração ao Espírito Santo. Se ele não fizer isso, rezo então para que parta rapidamente”.

Na mesma ocasião, o também teólogo apelidou o Papa Francisco de “corpo estranho” e criticou a posição do líder máximo da Igreja Católica sobre o Islão, crise de refugiados e imigração. “O Papa tem pedido às paróquias e dioceses para abrir portas aos seguidores do Islão, religião hostil ao Evangelho e à Igreja. Eles assassinaram milhões de pessoas em guerras religiosas. E nós, polacos, entendemos melhor do que ninguém que não há forma de dialogar com eles”, afirmou o padre.

Edward Staniek acusou ainda o Papa Francisco de ser “demasiado vago” a respeito de temas como o divórcio e o casamento católico, o que, acrescentou o padre e teólogo, “tem dado azo a interpretações erradas por parte dos meios de comunicação”. “Que caminho está ele a seguir? Eu não sei. Qual o propósito do seu discurso? Também não sei. Mas sei que as declarações dele estão a ser usadas pelos media para destruir Jesus e a sua Igreja”.

As declarações do padre mereceram críticas por parte do arcebispo de Cracóvia, Marek Jędraszewsk, que não adiantou, contudo, se Edward Staniek será punido de alguma forma pelo que disse. “Foi com grande e consternação que tomei conhecimento das palavras de Edward Staniek durante a sua homilia. Falei pessoalmente com ele sobre isto”, lê-se num comunicado citado pelo “Catholic Herald”, jornal britânico da Igreja Católica.