Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Israel abre investigação sobre Facebook para proteger direitos dos cidadãos

Dado Ruvic / Reuters

Com esta investigação, a autoridade israelita visa averiguar a “transferência de dados pessoais do Facebook à Cambridge Analytica e a possibilidade de outras infrações da lei de privacidade que digam respeito a clientes israelitas”

A Autoridade Israelita de Proteção da Privacidade abriu esta quinta-feira uma investigação às atividades da rede social Facebook, na sequência das suspeitas do uso de dados de clientes da empresa num programa com fins políticos, anunciou o Governo.

Com esta investigação, a autoridade israelita visa averiguar a “transferência de dados pessoais do Facebook à Cambridge Analytica e a possibilidade de outras infrações da lei de privacidade que digam respeito a clientes israelitas”, segundo informação divulgada hoje em comunicado pelo Ministério da Justiça.

De acordo com a lei, os dados pessoais só devem ser usados para o propósito pelo qual foram criados e com o consentimento do utilizador, referiu ainda o Ministério da Justiça.

No mesmo comunicado, e com base nas acusações à rede social, o Ministério concluiu que “a autoridade irá investigar se os dados pessoais dos cidadãos israelitas foram usados ilegalmente de modo a infringir o seu direito de privacidade” bem como “a lei de Privacidade de Israel”.

Também a Comissão Federal do Comércio dos EUA (FTC, sigla em inglês) iniciou uma investigação contra a empresa dirigida por Mark Zuckerberg que poderá implicar uma multa milionária.

O Facebook tem estado no centro de uma vasta polémica internacional com a empresa Cambridge Analytica, acusada de ter recuperado dados de 50 milhões de utilizadores da rede social, sem o seu consentimento, para elaborar um programa informático destinado a influenciar o voto dos eleitores, favorecendo a campanha de Donald Trump.