Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Trump ignorou avisos dos assessores para não felicitar Putin

The Washington Post

Sob crescentes suspeitas de que trabalhou com os russos para derrotar Hillary Clinton nas eleições de 2016, o Presidente norte-americano decidiu dar os parabéns ao homólogo russo pela sua reeleição nas eleições de domingo. “Um Presidente americano não lidera o mundo livre felicitando ditadores por ganharem eleições fraudulentas”, criticou o senador republicano John McCain

O Presidente norte-americano Donald Trump ignorou as recomendações dos seus assessores para a segurança nacional para que não felicitasse Vladimir Putin pela sua reeleição como chefe de Estado russo, com quase 77% dos votos, no domingo.

A notícia foi avançada pelo "Washington Post" esta terça-feira, com base em informações avançadas por funcionários da Casa Branca. Sob anonimato, as fontes explicaram ao jornal que os assessores responsáveis por elaborarem o documento preparatório da conversa telefónica entre Trump e Putin escreveram "Não felicitar" em letras maiúsculas nesse documento, um conselho que o líder norte-americano decidiu ignorar.

Além disso, a equipa de conselheiros de segurança nacional também tinha incentivado Trump a abordar com o homólogo russo o recente ataque a um ex-espião russo, Sergei Skripal, e à sua filha, Yulia, em Inglaterra, com recurso a uma arma química, algo que o Presidente norte-americano também ignorou, numa altura em que continua a ser investigado nos EUA por suspeitas de conluio com o Kremlin durante a corrida à Casa Branca em 2016.

Em declarações aos jornalistas na segunda-feira, Trump descreveu a “chamada muito boa” que manteve com o chefe de Estado russo depois da sua vitória para um quarto mandato presidencial, numa ida às urnas envolta em acusações de fraude.

“Falei por telefone com o Presidente Putin e felicitei-o pela sua vitória, a sua vitória eleitoral. A chamada teve a ver também com o facto de que provavelmente vamos reunir-nos num futuro não muito distante para que possamos falar sobre armamento.”

A felicitação a Putin motivou novas críticas a Trump, como a do senador republicano e antigo candidato presidencial, John McCain, que no Twitter sublinhou que felicitar o "ditador" russo é "um insulto a cada cidadão [do país] que viu negado o seu direito de votar em eleições livres e justas". "Um Presidente norte-americano não lidera o mundo livre felicitando ditadores por ganharem eleições fraudulentas", ressaltou McCain.

Também na segunda-feira, o Kremlin (Presidência russa) confirmou que os dois líderes abordaram nessa chamada a possível realização de um encontro de alto nível e a coordenação de esforços entre Washington e Moscovo para “limitar a corrida ao armamento”.

“Em termos gerais, a conversa foi construtiva (…), focada na resolução de problemas acumulados no contexto das relações russo-americanas”, referiu o Kremlin.

Putin e Trump encontraram-se pela última vez em novembro passado, à margem da cimeira da Cooperação Económica Ásia-Pacífico (APEC), que decorreu na cidade vietnamita de Danang.

Ainda sobre a conversa telefónica desta segunda-feira, o Kremlin esclareceu que os dois líderes não conversaram sobre o caso do envenenamento de Sergei Skripal e da sua filha com um agente neurotóxico em solo britânico – um ataque que os aliados ocidentais, incluindo o governo federal dos EUA, já atribuíram a Moscovo.