Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Sarkozy indiciado por corrupção passiva, financiamento ilegal de campanha e encobrimento de fundos públicos

STEPHANE MAHE/ Reuters

O antigo Presidente da França esteve a ser ouvido durante cerca de 25 horas pelos investigadores

O antigo Presidente francês Nicolas Sarkozy foi esta quarta-feira indiciado no âmbito da investigação sobre suspeitas de financiamento líbio na sua campanha para a eleição presidencial de 2007, segundo fontes judiciais.

Nicolas Sarkozy, que nega as acusações, está indiciado pelos crimes de corrupção passiva, financiamento ilegal de campanha eleitoral e encobrimento de fundos públicos da Líbia, tendo sido colocado sob controlo judiciário, disse fonte judicial, citada pela agência France Press.

O antigo Presidente da França esteve a ser ouvido durante cerca de 25 horas pelos investigadores, que o interrogaram na sede da Polícia Judiciária de Nanterre, nos arredores de Paris.

O processo judicial teve origem num documento líbio, publicado em maio de 2012 no 'site' de informação "Médiapart", no qual é revelado que o ex-chefe de Estado francês teria recebido dinheiro do antigo líder líbio Muammar Kadafi.

Em novembro de 2016, o empresário e intermediário Ziad Takieddine afirmou ter recebido cinco milhões de euros em dinheiro entre o final de 2006 e início de 2007, de Tripoli para Paris, que entregou a Claude Géant e Nicolas Sarkozy.

A Justiça francesa recuperou a agenda do ministro do Petróleo de Kadafi, Choukri Ghanem, que morreu em 2012 em circunstâncias pouco claras, onde os pagamentos de dinheiro a Sarkozy eram mencionados.

Um ex-colaborador do líder líbio que estava encarregue das relações com a França, Bechir Saleh, também assegurou ao "Le Monde" que Kadafi disse que "ele havia financiado Sarkozy".

Sarkozy sempre negou as acusações, classificando-as de "manipulação e crueldade".

  • Escândalo de Estado em França

    Antigo Presidente francês, Nicolas Sarkozy, foi detido na manhã desta terça-feira para ser interrogado sobre o eventual financiamento líbio da sua campanha eleitoral vitoriosa de 2007. O caso é complicado: ele contesta, mas um dos seus mais próximos amigos já foi acusado neste processo