Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Encontrados corpos de 39 trabalhadores indianos desaparecidos em Mossul em 2015

Sushma Swaraj, ministra dos Negócios Estrangeiros da Índia, conheceu as famílias das vítimas em 2015

Hindustan Times/ Getty Images

A imprensa indiana refere que estas 39 pessoas, maioritariamente do norte da Índia, trabalhavam numa empresa de construção perto de Mossul

Soraia Pires

Soraia Pires

Jornalista

As autoridades iraquianas encontraram esta segunda-feira 39 corpos de trabalhadores indianos que haviam desaparecido há três anos perto de Mossul, a terceira maior cidade do Iraque. A notícia foi avançada pela ministra dos Negócios Estrangeiros indiana, Sushma Swaraj, que garantiu que os corpos foram enterrados num monte de terra pelo autodenominado Estado Islâmico (Daesh).

Segundo a imprensa indiana, as vítimas tinham poucas posses e eram naturais do norte de Punjab. A imprensa indiana refere também que estas 39 pessoas, maioritariamente do norte da Índia, trabalhavam numa empresa de construção perto de Mossul e que os desaparecimentos aconteceram quando militantes invadiram a cidade iraquiana e cercaram vários territórios. Parentes próximos das vítimas receberam telefonemas de algumas delas cinco dias após Mossul ter sido capturada em 2015. Precisavam de ajuda.

Nessa altura, cerca de 10 mil indianos trabalhavam e viviam no Iraque, precisa a AFP. Sushma Swaraj disse esta terça-feira que os corpos encontrados estavam enterrados num monte de terra perto de Badush, província iraquiana localizada a norte de Mossul que as forças iraquianas recuperaram do Daesh em julho do ano passado. Habitantes daquela província disseram aos intervenientes nas operações de busca que quem enterrou os corpos foi o Daesh.

As autoridades iraquianas utilizaram um radar para encontrarem aquele terreno. Depois, através do radar, perceberam que era uma vala comum e, ao cavarem um buraco, encontraram vários cadáveres. Os operacionais conseguiram perceber que estavam lá pessoas indianas enterradas através dos sapatos, que eram típicos da Índia. O passo seguinte foi exumar os corpos e pedir amostras de ADN de parentes dos trabalhadores para conseguirem identificar todas as vítimas.

A ministra dos Negócios Estrangeiros da Índia informou ainda que os testes de ADN confirmaram que 38 dos 39 corpos eram de trabalhadores desaparecidos em 2015. Falta apenas identificar um corpo.