Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Trump terá decidido cessar as funções do seu Conselheiro de Segurança Nacional

NICHOLAS KAMM

Segundo o “The Washington Post” o Presidente dos Estados Unidos procura substitutos para o general H.R. McMaster, com quem nunca se terá entendido, mas estará disposto a demorar algum tempo para o demitir, por não o querer o humilhar

O Presidente dos EUA, Donald Trump, terá decidido cessar as funções do seu conselheiro de Segurança Nacional, existindo rumores para a possibilidade de outras mudanças no seu executivo, noticiou na quinta-feira o jornal "The Washington Post".

Segundo o jornal, que refere cinco fontes, Donald Trump procura substitutos para o general H.R. McMaster, o seu conselheiro para a Segurança Nacional, com quem nunca se terá entendido, mas estará disposto a demorar algum tempo para o demitir, por não o querer o humilhar e pretender um sucessor que dê garantias.

A confirmar-se, a saída do conselheiro Segurança Nacional sucederá à do secretário de Estado, Rex Tillerson, esta semana, informa a agência EFE.

O "The Washington Post" adianta que a saída do general pode não ser a única, já que o Presidente dos Estados Unidos estará a equacionar fazer outras alterações ao seu Governo.

No início do mês, a Casa Branca desmentiu uma notícia da televisão MSNBC que garantia que o conselheiro de Segurança Nacional estava prestes a ser substituído.

Um dos assessores de imprensa da Presidência norte-americana, Raj Shah, disse, no dia 2, que "frequentemente" são "ouvidos rumores sobre dirigentes seniores do Governo", mas que "desta vez não há anúncios sobre pessoal".

A notícia da MSNBC sugeria que McMaster deve ser substituído em breve por um executivo da Ford, Stephen Biegun, que já integrou o executivo de George W. Bush.

O Presidente Trump tem tido vários choques com McMaster, um general de três estrelas, o último dos quais depois da caracterização que este fez da interferência russa nas eleições presidenciais de 2016, na recente conferência de Munique sobre segurança, onde disse que era "indiscutível".

O general substituiu há um ano Michael Flynn, que esteve menos de um mês no cargo, após ser do conhecimento público que mentiu ao vice-presidente, Mike Pense, sobre os seus contactos com o Kremlin.