Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

“Se quiserem que eu saia, eu saio já”. José Eduardo dos Santos admite demitir-se da presidência do MPLA

José Eduardo dos Santos admitiu esta semana, pela primeira vez, antecipar a sua saída da liderança do MPLA, o partido que há 42 anos governa Angola. As atenções estão concentradas na reunião do comité central do partido marcada para esta sexta-feira

Gustavo Costa

correspondente em Luanda

Correspondente em Luanda

João Carlos Santos

O ex-chefe de Estado angolano reconheceu esta semana, durante uma reunião da cúpula do MPLA, que poderá abandonar a presidência do partido, cargo que tinha prometido abandonar antes do fim deste ano. A declaração de que poderá fazê-lo em breve foi feita depois de Roberto de Almeida, um dos subscritores de um abaixo assinado contra a sua permanência à frente do MPLA, ter exigido o fim imediato da bicefalia política: João Lourenço é o Presidente da República e Eduardo dos Santos o líder do partido que governa o país - e que até recentemente era automaticamente o chefe do Estado.

santos pedro

“Se quiserem que eu saia, eu saio já!” – disse, visivelmente incomodado, o líder do MPLA, em reação à corrente de vozes que, no seio do partido, pretendem vê-lo afastado da vida política.

Rui Falcão, governador de Benguela, e Paulo Pombolo, antigo governador do Uíje, também não pouparam críticas à duplicidade de poder existente em Angola e à corrupção, como uma das maiores pragas herdadas da governação de Eduardo dos Santos.

Aldina da Lomba, antiga governadora de Cabinda, veio em socorro do antigo Presidente e denunciou a existência de “grupinhos que pretendem instalar a confusão” durante a reunião do comité central do MPLA que se realiza esta sexta-feira.

“Eu sei de tudo” – terá respondido Eduardo dos Santos. O peso da influência que ainda exerce sobre o MPLA acabou, por isso, por ser decisivo no silêncio a que se submeteram os restantes membros da direção do partido perante a ameaça de “Zedu” (como José Eduardo dos Santos é conhecido) de atirar a toalha ao tapete.

“Mas também não houve nenhuma manifestação de apoio à sua continuidade à frente do partido, como seria seu desejo” – confessou um dos participantes a reunião.

Para muitos observadores, a solução passa agora, de forma incontornável, pela convocatória imediata de um congresso extraordinário do MPLA para discutir a sucessão de Eduardo dos Santos. Sobre esta questão, o Presidente foi categórico: “Se o problema é o congresso, vamos realizá-lo. Não quero ser um empecilho.”

O congresso deverá, deste modo, figurar a partir de agora como um dos temas dominantes da agenda de trabalho do MPLA.

Mas ao mostrar-se disposto a abandonar o barco, José Eduardo dos Santos não pretenderá fazê-lo abdicando de um dos seus trunfos. O principal deles é o secretário-geral do MPLA, Paulo Kassoma, padrasto de um dos filhos e seu fiel servidor, ao qual delegaria os seus poderes.

getty

No entanto, João Lourenço deixou claro que, sendo ele vice-presidente do MPLA, é a ele que, à luz dos estatutos, compete substituir o líder do partido. José Eduardo dos Santos não gostou da advertência e fez questão de recordar que sendo “ainda o Presidente do MPLA”, está-lhe reservada a última palavra.

getty

Numa tentativa de desdramatização da tensão reinante, o departamento de informação e propaganda do MPLA veio a terreiro pôr água na fervura, desmentindo a existência de fações no seu seio.

“Estão a pretender travar o vento com as mãos” – disse o sociólogo Ernesto Ferraz. Com a correlação de forças cada vez mais desfavorável, o afastamento de velhos apoios ameaça agora colocar José Eduardo dos Santos em situação de isolamento.

Uma situação que coincide com o aperto encetado pelas autoridades judiciais a alegadas irregularidades financeiras atribuídas aos filhos de José Eduardo dos Santos.

Depois de ter sido aberto pela Procuradoria Geral da República um inquérito a Isabel dos Santos, por alegados desvios de fundos na Sonangol, o seu irmão Filomeno dos Santos, antigo Presidente do Fundo Soberano, acaba também de ser constituído arguido, por envolvimento numa transferência ilícita de 500 milhões de dólares para Londres através do Banco Credit Suisse.

No mesmo processo foram arrolados igualmente como arguidos o antigo Presidente do Banco Nacional de Angola Valter Filipe e Jorge Pontes, tido como o testa de ferro dos negócios do filho mais velho de Eduardo dos Santos.

Em certos meios receia-se que este ambiente possa vir a levar o antigo Presidente a condicionar o abandono definitivo da liderança do MPLA a uma solução negociada que coloque os filhos a salvo de qualquer decisão judicial.

A reunião que o comité central do MPLA vai realizar esta sexta-feira é tida, por este motivo, em vários círculos, como podendo vir abrir espaço para assegurar determinado tipo de garantias à família de Eduardo dos Santos.

Para tal, segundo Paulo de Carvalho, deputado do partido governamental, em Angola “é chegada a hora de o Presidente do MPLA colocar primeiro o cargo à disposição e o vice-presidente (João Lourenço) assumir a liderança do partido”.