Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Stephen Hawking. As reações à morte de “alguém que ousou enfrentar grandes mistérios”

Eleanor Bentall

O famoso astrofísico britânico morreu, esta quarta-feira, aos 76 anos e há quem já garanta que a sua ausência deixou “um vácuo intelectual”. De políticos a artistas, de físicos a empresários: assim é como se chora a perda duma “mente colossal”

Stephen Hawking é a prova da famosa frase "mind over matter" (a mente sobre a matéria): com uma doença neurológica incurável e degenerativa diagnosticada aos 21 anos, que lhe condicionou seriamente a sua mobilidade, o astrofísico demonstrou que a sua mente brilhante conseguiu ser superior aos entraves físicos presentes no seu corpo.

Deixa um legado valiosíssimo na comunidade científica que não será esquecido. Mas também será recordado no mundo inteiro: pela sua bondade, humildade, bom humor e boa disposição a que nos habituou nas inúmeras vezes que apareceu nos ecrãs das nossas televisões.

De políticos a artistas, de físicos a empresários, assim foram as reações à morte de Stephen Hawking:

A primeira-ministra britânica, Theresa May, recordou o astrofísico britânico, "um dos grandes cientistas da sua geração", como "uma mente brilhante e extraordinária". E garante que o seu legado não será esquecido.

Também o líder do Partido Trabalhista, e principal líder da oposição, Jeremy Corbyn, recordou a "arrebatadora coragem" de Stephen Hawking, não só pela sua "determinação em explicar os mistérios do cosmos" nem pela forma como tentou "ultrapassar as adversidades da vida", mas também pela "paixão fervente" que o astrofísico tinha em defender causas sociais - e recorda a luta de Hawking pela proteção e melhoria do Serviço Nacional de Saúde britânico, assunto sobre o qual verteu duras críticas ao ministro da Saúde, Jeremy Hunt.

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, também homenageou Stephen Hawking evocando uma das várias célebres citações do físico: "Importa senão desistires"

A NASA também fez questão de relembrar os grandes feitos científicos de Hawking, cujas teorias "teorias desbloquearam um universo de possibilidades", publicando-se um video que recorda o momento em que o astrofísico falou aos astronautas da Estação Espacial, em 2014, onde viria também a experimentar, através de um voo, a ausência de gravidade.

O inventor da World Wide Web, Tim Berners-Lee, foi uma das primeiras figuras de renome em reagir à morte de Stephen Hawking: "Perdemos uma mente colossal e um espírito maravilhoso", lamentou via Twitter.

O astrofísico e conhecido por divulgar os feitos científicos aos "cidadãos comuns", Neil DeGrasse Tyson, também não demorou em lamentar a morte do seu colega, cuja perda deixa para Tyson "um vácuo intelectual". Na publicação, no Twitter, fez questão de homenagear Stephen Hawking com uma fotografia dos dois juntos.

Também o diretor executivo da Microsoft, Satya Nadella, reagiu no Twitter dizendo que "Stephen Hawking será lembrado pelos seus contributos incríveis para a ciência" mas também pelo "seu espírito e pela sua busca ilimitada pela compreensão total do universo".

O elenco da série de televisão norte-americana "The Big Bang Theory" (A teoria do Big Bang), na qual Stephen Hawking apareceu em vários episódios que provocaram risos nos espectadores - especialmente pela relação animada entre o astrofísico e Sheldon, uma das personagens principais da série - homenagearam Hawking, no Twitter, com uma fotografia que enmarca um dos momentos partilhados entre o elenco e o físico.

Por cá, o professor da Universidade de Coimbra e físico Carlos Fiolhais, destacou a importância do trabalho de Stephen Hawking nas nas áreas da cosmologia do universo e recordou que é "uma figura de referência para todos nós".

"É um exemplo de alguém que consegue exercer a capacidade do seu cérebro apesar de todas as limitações do seu corpo (...) É alguém que ousou enfrentar grandes mistérios, como o início do Mundo, o 'Big Bang' e os buracos negros", destacou Carlos Fiolhais à agência Lusa.