Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

O que ensinou ao mundo Stephen Hawking

Hindustan Times/GETTY

O que é provavelmente o físico mais conhecido do mundo teve a singularidade de aliar muitos campos diferentes, mas igualmente fundamentais, da teoria física: gravitação, cosmologia, teoria quântica, termodinâmica e teoria da informação

Cristina Peres

Cristina Peres

Jornalista de Internacional

Era sem grande dúvida o cientista mais conhecido em todo o mundo e a sua própria longevidade fazia parte do desafio à ciência que guiou a sua vida: Stephen Hawking sobreviveu mais de meio século à condenação a uma curta vida de dois anos depois de, aos 20 anos, lhe ter sido disgnosticada uma doença degenerativa rara (esclerose lateral amiotrófica),

O físico lendário ajudou a explicar o comportamento dos buracos negros e examinou a origem do universo.

Conhecemos-lhe a resistência às limitações físicas que dominaram a sua vida, conhecemos-lhe a inconfundível voz de robô com que comunicou sempre, conheceremos igualmente bem as suas descobertas? Foi ele que descobriu os buracos negros? O Big Bang? A medição do tempo? Não, não e não.

É díficil cortar através da densa mitologia que esta estrela da cosmologia e ver claramente a realidade das suas descobertas científicas, escreve a BBC Earth, afirmando que a própria mitologia de Hawking ameaça obscurecer as suas realizações.

Por surpreendente que pareça, em vários tops dos maiores físicos do século XX ou de físicos de topo até agora vivos, Stephen Hawking ou nem consta ou tem o nome no fim da lista. A resposta nos meios científicos é clara: é evidente que ele é uma presença gigante na física moderna, o que acontece é que a Física tem uma quantidade impressionante de grandes mentes. Deste modo, Hawking é uma entre elas.

“O génio de Hawking, que mereceria um Prémio Nobel, é ter aliado muitos campos diferentes, mas igualmente fundamentais, da teoria física: gravitação, cosmologia, teoria quântica, termodinâmica e teoria da informação”, lê-se na BBC.

Edward Witten, um teórico do Instituto para Estudos Avançados em Princeton, citado pelo “New York Times”, disse: “Tentar compreender melhor as descobertas de Hawking tem dado origem a muito pensamento novo há pelo menos 40 anos. E estamos provavelmente ainda longe de as compreender por completo. Ainda soam a novo.”

Após concluir a formação em Física, Hawking iniciou o douturamento na Universidade de Cambridge sob supervisão do cosmólogo Denis Sciama. Dirigiu a atenção para o ressurgimento do interesse pela relatividade e pelos buracos negros.

O seu primeiro sucesso surgiu em 1970 com uma dissertação sobre “A singularidades do colapso e cosmologia gravitacional”. Foi quando, em conjunto con Roger Penrose, aplicou as matemáticas dos buracos negros ao universo e demonstrou que a singularidade, a região da curvatura infinita no espaço-tempo, se encontrava no nosso passado distante: o ponto do qual teve origem o Big Bang.

Responder à pergunta “De onde vem o universo”?

Em termos científicos, Hawking será lembrado por uma descoberta tão estranha que poderia ser expressa em forma de poema Zen: Quando é que um buraco negro não é negro? Quando explode.

Tornou-se o líder da sua geração na exploração da gravidade e das propriedades dos buracos negros, os poços gravitacionais sem fundo que são tão fundos e densos que nem a luz consegue escapar-lhes, explica o “NYT”.

Foi este trabalho que conduziu a um ponto de viragem da física moderna no final de 1973, quando Hawking aplicou a teoria quântica, as estranhas leis que governam a realidade subatómica, aos buracos negros.

Após uma longa série de cálculos complexos, o físico descobriu “para seu espanto” que os buracos negros não era de todo negros. Na verdade, os buracos negros libertam radiação e partículas, accabando por explodir e desaparecer”, continua o NYT.

Esses foram os cálculos que ainda hoje são aclamados pela classe científica como o primeiro grande marco da história na luta para encontrar uma teoria da natureza. O estudo, publicado na revista “Nature” em 1974 sob o título “Explosão de Buracos Negros?”, epitomiza o génio de Hawking: “aliar as mecânicas gravitacional e quântica, as descrições do grande e do pequeno, para explicar o universo, que parece mais estranho do que alguém poderia ter imaginado.”

Esta descoberta da radiação de Hawking transformou os buracos negros de “destruidores em criadores, ou pelo menos recicladores” e atirou o sonho de uma teoria única da natureza numa nova direção. Uma direção estranha.

As contribuições fundamentais de Hawking continuaram até aos anos 80. Foi dos primeiros a demonstrar que as flutuações de quantum contribuem para a expansão das galáxias. “Nestas minúsculas rugas estão as sementes das estrelas, planetas e da vida tal como a conhecemos”.