Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

França classifica envenenamento de ex-espião russo como “ataque totalmente inaceitável”

FRANCOIS GUILLOT/GETTY

Chefe da diplomacia francesa falou com o seu homólogo britânico para expressar a solidariedade de França para com o seu “aliado de primeiro plano e estratégico”

A França condenou esta terça-feira o envenenamento do ex-espião russo Serguei Skripal e da filha, Yulia, com um agente neurotóxico de "qualidade militar" no Reino Unido, qualificando o incidente como um "ataque totalmente inaceitável".

"A tentativa de assassínio de dois cidadãos russos a 4 de março em Salisbury [sul de Inglaterra] com a utilização de um agente neurotóxico de qualidade militar constitui um ataque totalmente inaceitável", declarou a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros francês, Agnès von der Mühll.

A mesma representante referiu que o chefe da diplomacia francesa, Jean-Yves Le Drian, falou com o seu homólogo britânico, Boris Johnson, para expressar a solidariedade de França para com o seu "aliado de primeiro plano e estratégico".

Na segunda-feira, no Parlamento, a primeira-ministra britânica, Theresa May, apontou duras declarações às autoridades russas, afirmando ser "muito provável que a Rússia seja responsável" pelo envenenamento do ex-espião russo Serguei Skripal e da filha, Yulia.

Na mesma intervenção, a primeira-ministra do Reino Unido deu a Moscovo um prazo, até hoje à noite, para fornecer explicações à Organização para a Proibição de Armas Químicas.

Sem mencionar a Rússia, a diplomacia francesa disse esta terça-feira que Paris reitera "a recusa de impunidade para quem usa ou desenvolve agentes tóxicos".

Serguei Skripal, de 66 anos, e a filha Yulia, de 33 anos, foram encontrados inconscientes no dia 4 de março, num banco num centro comercial em Salisbury, no sul de Inglaterra.

Na quarta-feira seguinte, o chefe da polícia anti-terrorista britânica, Mark Rowley, revelou que o ex-agente duplo russo e a sua filha tinham sido vítimas de um ataque deliberado com um agente que ataca o sistema nervoso.

Os dois têm permanecido hospitalizados, nos cuidados intensivos, em "estado crítico, mas estável".

Também hospitalizado está um polícia, um dos primeiros a chegar ao local para socorrer o ex-espião russo e a sua filha. O elemento das forças policiais está consciente e encontra-se em "estado grave, mas estável".