Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

"Um tremendo sucesso". As expetativas de Trump para o encontro com Kim Jong-Un

DAVID MAXWELL

O Presidente norte-americano está confiante no sucesso das negociações com a Coreia do Norte, mas as vozes críticas já se fazem ouvir. Enquanto Trump elogia a China e confia na nova posição de Kim Jong-Un, Hillary Clinton pede à Casa Branca que aposte em diplomatas experientes para as negociações

Donald Trump considerou este sábado que as conversações com a Coreia do Norte de Kim Jong-Un serão "um tremendo sucesso" e elogiou a colaboração da China, aproveitando o evento em Moon Township, no oeste da Pensilvânia, para criticar os seus antecessores. "Não fizeram nada", considerou, referindo-se às administrações anteriores da Casa Branca. " Isto devia ter sido enfrentado nos últimos 30 anos, e não agora."

"Acho que a Coreia do Norte está a ir muito bem", disse aos repórteres no local, prevendo que a cimeira "será um tremendo sucesso". "A promessa deles é não lançarem mísseis até ao encontro e que vão procurar a desnuclearização." No tom que lhe é característico, o Presidente norte-americano disse que "isso seria maravilhoso".

A reunião histórica com o líder norte-coreano (que se espera acontecer em maio num lugar a determinar) será o primeiro encontro na história entre líderes dos Estados Unidos e da Coreia do Norte e o mundo está a acompanhar os passos de Trump e de Kim.

OS CONSELHOS DE HILLARY

Para a democrata Hillary Clinton, que perdeu as eleições para Trump, a administração não está a ver o perigo que representam as discussões com Pyongyang e aconselha o Presidente a tratar o assunto com o devido cuidado. "Se quer discutir armas nucleares com Kim Jong Un, [Trump] precisa de diplomatas experientes. Precisa de pessoas que conheçam bem as questões e saibam decifrar os norte-coreanos e a sua linguagem", afirmou Clinton à imprensa holandesa. "O governo de Trump não reconhece o perigo."

Até lá, a Casa Branca mostra-se comprometida com as sanções "até que a Coreia do Norte tome decisões para uma desnuclearização completa, verificável e irreversível". "A Coreia do Norte não realizou qualquer teste de mísseis desde 28 de novembro de 2017 e prometeu não o fazer durante os nossos encontros. Eu acho que eles manterão sua promessa!", afirmou Trump também hoje num 'tweet'.
.

APROXIMAÇÃO CHINESA

O Presidente dos EUA aproveitou a ocasião para agradecer a colaboração do Presidente chinês Xi Jinping em relação à Coreia do Norte, num reconhecimento que parece recíproco entre os líderes das duas potências. Trump já tinha anunciado que o presidente chinês Xi Jinping tinha agradecido os esforços "diplomáticos" da administração norte-americana para resolver a questão norte-coreana e voltou este domingo ao tema.

"O presidente Xi disse-me ter apreciado que os Estados Unidos estejam a tentar resolver o problema diplomaticamente em vez de usar a opção mais preocupante. A China continua a ajudar-nos", escreveu hoje Trump, numa referência à chamada telefónica com o seu homólogo chinês.

  • João Miguel Salvador

    Licenciado em Ciência Política e Relações Internacionais pela Universidade Nova de Lisboa e com Pós-Graduação em Jornalismo Multiplataforma pela mesma instituição, sempre se interessou pelo que acontece no mundo. "Qualquer semelhança com a atualidade (não) é pura coincidência", dizia-lhe uma professora quando era mais novo. A história pode repetir-se, mas a importância de a contar mantém-se. E é bom contá-la aqui.