Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Marine Le Pen quer relançar a Frente Nacional em “congresso de refundação”

Chesnot

Candidata única à liderança da Frente Nacional, Marine Le Pen tem a reeleição assegurada no congresso de sábado e domingo em Lille e quer propor três novas linhas orientadoras - “implantar-se, aliar-se, governar”

A líder da extrema-direita francesa, Marine Le Pen, contestada internamente desde a derrota nas presidenciais, abre no sábado um "congresso de refundação" da Frente Nacional com um apelo ao relançamento do partido, que incluirá a mudança do nome.

"O fracasso não é fatal, o que conta é a coragem de continuar", exortou Le Pen, citando Winston Churchill.

A dirigente referia-se à derrota na segunda volta das presidenciais de 2017, em que obteve um número recorde de 11 milhões de votos (33,9%) mas foi vencida por Emmanuel Macron.

Candidata única à liderança da Frente Nacional (FN), Marine Le Pen tem a reeleição assegurada no congresso de sábado e domingo em Lille (norte de França) e quer propor três novas linhas orientadoras - "implantar-se, aliar-se, governar" -, uma quebra com a tradição do partido de extrema-direita marcado pela cultura de oposição e pouco familiarizado com alianças.

Para as eleições europeias de 2019, Le Pen manifestou a intenção de apresentar uma lista de "união" dos "nacionais" contra os "mundialistas", num contexto de apagamento das classes políticas tradicionais.

E, para que o relançamento seja completo, a líder quer que a FN tenha um novo nome, o qual deverá anunciar no domingo, para que seja votado depois do congresso.

A mudança não é unânime e a ala mais tradicional do partido, fundado nos anos 1970 pelo pai de Marine, Jean-Marie Le Pen, como uma traição à história da formação.

Aos 49 anos de idade e sete de uma liderança quase inquestionável, Marine Le Pen enfrenta uma oposição interna inédita, com setores do partido a atribuírem a sua derrota nas presidenciais à má prestação que teve no derradeiro debate televisivo com Macron.

A saída do seu "número dois", o renovador Florian Philippot, que criou um partido alternativo para disputar o eleitorado de extrema-direita, é vista como um símbolo da desunião na FN.