Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Trump saúda “possíveis progressos” na Coreia do Norte

Drew Angerer/Getty Images

Depois da Coreia do Sul anunciar que Pyongyang aceitou suspender os ensaios nucleares e balísticos se houver conversações com os Estados Unidos, o Presidente norte-americano reagiu via Twitter: “O mundo observa e espera! Pode ser uma falsa esperança, mas os EUA estão dispostos a avançar em qualquer das direções”

O presidente dos Estados Unidos saudou hoje "possíveis progressos" na Coreia do Norte, mas admitiu que podem ser "falsas esperanças", depois de a Coreia do Sul anunciar que Pyongyang concordou em suspender os ensaios nucleares durante as negociações.

Donald Trump considerou no entanto que todas as partes estão a fazer "um esforço sério".

"Possíveis progressos nas conversações com a Coreia do Norte. Pela primeira vez em muitos anos, um esforço sério está a ser feito por todas as partes. O mundo observa e espera! Pode ser uma falsa esperança, mas os EUA estão dispostos a avançar em qualquer das direções", escreveu o presidente norte-americano na sua conta oficial no Twitter.

A reação foi divulgada depois de a Coreia do Sul anunciar que Pyongyang aceitou suspender os ensaios nucleares e balísticos se houver conversações com os Estados Unidos sobre o programa nuclear.

Seul também anunciou uma cimeira entre as duas Coreias para o final de abril.

Na sequência da reaproximação iniciada com os Jogos Olímpicos de Inverno na Coreia do Sul, o conselheiro para a segurança da presidência sul-coreana, Chung Eui-yong, reuniu-se na segunda-feira com o líder norte-coreano, Kim Jong-Un.

Nessa reunião, a Coreia do Norte manifestou "vontade de desnuclearizar a península coreana e disse claramente que não existe nenhuma razão para ter armas nucleares se as ameaças militares contra o Norte desaparecerem e se a segurança do seu regime estiver garantida", relatou Chung depois de regressar a Seul.

  • Coreia do Norte disposta a abandonar armamento nuclear

    Comunicado do Presidente da Coreia do Sul afirma que o país vizinho “declarou claramente a sua vontade de desnuclearização” em troca de garantias de segurança por parte dos Estados Unidos. Informação ainda não foi confirmada oficialmente por Kim Jong-un