Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Merkel pede “governo estável” em Itália

KAY NIETFELD/GETTY

Porta-voz da chanceler alemã apelou “aqueles em posições de responsabilidade em Itália para formarem um governo estável”, tanto para o bem do país, “como para o bem da Europa”

A Alemanha espera a formação de um "governo estável" em Itália, mesmo que os resultados das eleições de domingo não garantam uma vitória clara a nenhum dos partidos ou coligações, afirmou esta segunda-feira um porta-voz do executivo de Angela Merkel.

Steffen Seibert, porta-voz da chanceler alemã, disse que embora os resultados finais ainda não sejam conhecidos, deseja que "aqueles em posições de responsabilidade consigam formar um governo estável, tanto para o bem de Itália, como para o bem da Europa".

Em declarações à imprensa, Seibert salientou que Berlim irá falar com o novo governo, independentemente do líder, porque "Itália é um dos parceiros europeus mais importantes e com quem o país [Alemanha] tem uma forte amizade".

Quando questionado se Merkel tinha alguma sugestão para a formação de um governo sob circunstâncias difíceis em Itália, Seibert, comentou que o que "todos esperam, em princípio, é que demore menos de seis meses", numa referência ao difícil processo vivido pela Alemanha para formar o seu governo.

A secretária-geral da União Democrata-Cristã (CDU), Annegret Kramp-Karrenbauer, também mostrou preocupação com a incógnita após as eleições italianas.

"Hoje, a vista dos Alpes para Itália não é fácil, porque não é previsível, após estes resultados complicados (...) por quanto tempo vai prolongar-se a escolha de um governo, se é que haverá algum, e quem vai liderar esse governo", afirmou.

Também a Alemanha viveu um período de incerteza política, com os partidos a chegarem a acordo apenas este domingo, quase seis meses depois das eleições de 24 de setembro.