Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Repórteres sem Fronteiras quer que dirigentes UE não critiquem jornalistas

Marcha em homenagem a Jan Kuciak, jornalista de investigação eslovaco que foi assassinado juntamente com a sua companheira.

RADOVAN STOKLASA/REUTERS

“Os líderes europeus têm a responsabilidade de defender o jornalismo, não de o enfraquecer”, disse o secretário-geral da Repórteres sem Fronteiras, Christophe Deloire, a propósito do assassínio do jornalista eslovaco Jan Kuciak

A organização não-governamental Repórteres sem Fronteiras (RSF) solicitou esta sexta-feira, depois do assassínio do jornalista eslovaco Jan Kuciak, que os dirigentes da União Europeia se abstenham de minar a segurança dos jornalistas ao criticá-los em público.

"Os líderes europeus têm a responsabilidade de defender o jornalismo, não de o enfraquecer", disse o secretário-geral da RSF, Christophe Deloire, à agência AFP, depois de uma reunião com o primeiro-ministro eslovaco, Robert Fico.

Alguns políticos europeus apoiaram ou criaram mesmo "um clima medonho para os jornalistas", acusou, apelando a Fico para que "apresente claramente as suas desculpas" por ter insultado publicamente os jornalistas.

Robert Fico já qualificou os jornalistas como "simples hienas idiotas" e "porcas prostitutas anti eslovacas". Depois do assassínio de Jan Kuciak, reuniu-se entretanto com os responsáveis dos principais meios para lhes garantir que "a proteção da liberdade de expressão e a segurança dos jornalistas" eram "uma prioridade" do seu governo.

Christophe Deloire criticou também outros dirigentes da Europa Central, nomeadamente o Presidente checo Milos Zeman, e os partidos governamentais na Hungria e na Polónia de criar um clima de hostilidade aos meios de comunicação.

O chefe de Estado checo já tratou os jornalistas como "canalhas", antes de considerar, na presença do presidente russo, Vladimir Putin, durante uma viagem à China, que deveriam ser "liquidados".

Deloire lembrou que, "no ano passado, o presidente checo chegou a uma conferência de imprensa com um brinquedo na mão parecido com uma 'kalachnikov' com a inscrição 'parta jornalistas'".

O dirigente da RSF considerou ainda que os partidos no poder na Polónia e Hungria "reduziram o pluralismo" na comunicação social pública, transformando-os em instrumentos de difusão das suas próprias opiniões.

"É responsabilidade de todos os países europeus impedir que a situação na Polónia e Hungria constitua um mau exemplo para o resto da Europa", insistiu.

Jan Kuciak inquiria sobre a existência de corrupção ao mais alto nível na Eslováquia, ligada às atividades da máfia siciliana. O seu corpo e o da sua companheira, mortos por bala, foram descobertos no domingo, levantando o problema da liberdade de imprensa e da segurança dos jornalistas.

As mesmas questões tinham sido colocadas depois do assassínio, em outubro de 2017, da jornalista Daphne Caruana Galizia, que tinha denunciado a corrupção na ilha mediterrânica.