Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Devolvido à mãe o bebé que ficou 5 meses “sequestrado” na clínica onde nasceu

Uma clínica no Gabão exigia o pagamento do equivalente a quase três mil euros, por a criança ter estado 35 dias numa incubadora

Luís M. Faria

Jornalista

Uma jovem mãe do Gabão conseguiu finalmente recuperar o seu bebé de cinco meses, depois de pagar a uma clínica que recusava entregar-lho. A clínica exigia o pagamento de um montante de dois milhões de francos centro-africanos (2933 euros) que acabaram por ser saldados após uma campanha pública de angariação de fundos.

O caso tornou-se conhecido depois de a mãe, desesperada, ter contactado uma equipa da TV5 Monde, uma cadeia internacional, que fez uma reportagem sobre o assunto. Sonia Okome tinha dado à luz na clínica privada Abora Nzame, situada em Okala, a norte da capital Libreville. Como o bebé nasceu prematuro, teve de passar 35 dias numa incubadora. Era essa a razão da conta elevada.

Durante o tempo que o pequeno Angel permaneceu na clínica, a mãe pôde vê-lo e dar-lhe de comer mas não levá-lo consigo. A certa altura, o médico terá começado a ameaçá-la de morte, e foi isso que finalmente a decidiu a publicitar o caso. Nzame também diz que o bebé não recebeu vacinas durante o seu calvário.

Quando a situação foi noticiada chamou logo a atenção, dentro do país e não só. Rapidamente se lançou um movimento de angariação de fundos, para o qual terá contribuído o próprio Presidente do país, Ali Bongo. Obtido o dinheiro, a clínica foi paga e o bebé devolvido à mãe.

O médico envolvido, Kamarou Kossogo, ainda foi preso por suspeitas de sequestro, mas acabou por ser posto em liberdade. Quanto a Nzame, afirma: “Estou feliz por ter o meu bebé de volta. Mas lamento não poder dar-lhe de mamar, pois ao fim de cinco meses todo o meu leite acabou”.