Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Bangladesh suspende repatriamento de muçulmanos Rohingya para Myanmar

MUNIR UZ ZAMAN/GETTY

Acordo entre os países vizinhos deveria começar a ser aplicado na terça-feira, mas acabou de ser suspenso pelas autoridades em Daca, avança a Associated Press

A repatriação de refugiados Rohingya do Bangladesh para Myanmar, que deveria começar na terça-feira, foi suspensa pelas autoridades do Bangladesh esta segunda-feira, segundo informações apuradas pela Associated Press.

Citado pela agência, o comissário para o Repatriamento de Refugiados na área costeira de Cox's Bazar, Abul Kalam, não avançou explicações para a suspensão do acordo alcançado com as autoridades da antiga Birmânia, dizendo apenas que os responsáveis “estão a trabalhar nisso”.

Pelo menos 750 mil muçulmanos da etnia Rohingya fugiram para o Bangladesh desde outubro de 2016, quando o Exército de Myanmar lançou a primeira de duas “operações de limpeza” no estado de Rakhine, onde a minoria vive concentrada, vítima de opressão sistemática pelas autoridades e maioria budista há várias décadas.

Essas operações já foram descritas pela ONU, pelo Governo norte-americano e por outros como “limpeza étnica” e genocídio. Com ainda mais pessoas a fugirem para o Bangladesh, perante uma nova ofensiva do Exército de Myanmar contra o que diz serem “terroristas”, os governos dos dois países alcançaram um acordo para garantir o retorno dos Rohingya a casa a partir desta terça-feira.

Na semana passada, com a aplicação desse acordo prestes a começar, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que era necessário que as duas partes esclarecessem se os Rohingya iam poder voltar às suas aldeias — muitas delas incendiadas nos últimos meses — ou se iam ser instalados em campos construídos especificamente para os acolher.

Muitos dos refugiados instalados em Cox's Bazar e noutras partes da fronteira entre o Bangladesh e Myanmar têm expressado preocupações com este acordo de repatriamento, por não se sentirem seguros em regressar aos locais onde foram perseguidos.