Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Um eurocético pró-Rússia que admira Trump e um europeísta preocupado com o populismo: a escolha é dos checos

Um cartaz de campanha de Milos Zeman, em Praga, mostra o candidato presidencial eurocético desfigurado

David W Cerny / Reuters

A primeira volta das eleições presidenciais na República Checa foi inconclusiva. A segunda ronda está marcada para o fim do mês. O combate será travado entre o atual Presidente, anti-imigração, e um professor de Química preocupado com o aumento do populismo

Margarida Mota

Jornalista

A República Checa agendou um tirateimas presidencial para 26 e 27 de janeiro. Então, o atual Presidente, Milos Zeman, de 73 anos, e um antigo presidente da Academia das Ciências, Jiri Drahos, de 68 anos, irão disputar a segunda volta das eleições presidenciais.

A primeira ronda, realizada em jornada dupla (na sexta-feira e sábado passados) — com uma taxa de participação de 61,92% —, ditou uma vitória curta de Milos Zeman. Com 38,6%, falhou, porém, a reeleição. Dos outros oito candidatos, Jiri Drahos foi o segundo mais votado, com 26,6%. (Estas não são percentagens finais, ainda que muito próximas de 100% dos votos contabilizados.)

Os três candidatos mais votados que se seguiram — um diplomata, um compositor e um médico — já expressaram o seu apoio a Drahos, na segunda volta. Mais próximo do Ocidente, este professor de Química defende a participação da República Checa na União Europeia e na NATO.

Admirador de Donald Trump

Enquanto Presidente, Milos Zeman tornou-se uma das vozes mais sonoras, no seio da União Europeia, contra a imigração e a política de acolhimento de refugiados da Alemanha. Apoiou a corrida de Donald Trump à Casa Branca e, na sequência do Brexit — o processo de saída do Reino Unido da UE —, propôs a realização de um referendo semelhante no país. É apontado como sendo próximo da Rússia e da China.

Este escrutínio realiza-se escassos três meses após a eleição do empresário milionário Andrej Babis para o cargo de primeiro-ministro. Na linha do Presidente, também Babis quer ver os imigrantes longe da República Checa.