Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Tão amigos que nós éramos...

Quando Portugal tinha boas relações com a Coreia do Norte: memórias de José Manuel Duarte de Jesus, o embaixador na ‘amiga’ Pyongyang

António Caeiro*

Caso raro na diplomacia europeia, em meados da década de 90, no espaço de dois anos, o embaixador José Manuel Duarte de Jesus deslocou-se três vezes a Pyongyang, onde teve “longas horas de conversa” com responsáveis norte-coreanos. “Eram conversas extremamente abertas, que às vezes duravam tardes inteiras, seguidas de jantar”, recordou Duarte de Jesus ao Expresso. É incrível, mas aconteceu: Portugal chegou a ter um “relacionamento especialmente amistoso” com o país mais hermético do mundo. “Devíamos ser o único país da União Europeia com quem eles tinham relações, e relações boas.”

Portugal tinha “um nicho de influência” na Coreia do Norte, diz Duarte de Jesus. “Eles viam-nos como um país com uma política externa independente.” Em 1996, por exemplo, a Coreia do Norte “apoiou imediatamente” a candidatura de Portugal ao Conselho de Segurança da ONU. Numa nota enviada então ao Ministério português dos Negócios Estrangeiros, o Governo norte-coreano afirma estar “convencido de que Portugal irá empenhar-se em ações destinadas a democratizar a ONU e a defender os interesses dos pequenos e médios países”. “As relações de amizade e cooperação existentes entre os nossos dois países irão desenvolver-se e alargar-se ainda mais em todos os domínios”, diz a nota. Quanto à questão de Timor-Leste, a Coreia do Norte esteve também do lado português, realçou ainda Duarte de Jesus: “Foram nossos apoiantes na ONU e em toda a parte.” Portugal, no entanto, não terá retribuído esse apoio: “Penso que nunca correspondemos muito ao que os norte-coreanos esperavam de nós.”

Entre os seus interlocutores, Duarte de Jesus destaca o presidente da Assembleia Popular Suprema, Kim Yong-nam: “Ele disse-me que tinha vindo cinco vezes a Portugal e que conhecia bem o marechal Costa Gomes.” — o antigo Presidente português visitou pelo menos uma vez a Coreia do Norte, no verão de 1995. Formalmente, Kim Yong-nam era a segunda figura do Estado norte-coreano, logo a seguir ao “Supremo Líder”, Kim Jong-il, que Duarte de Jesus e outros embaixadores, incluindo os que residiam em Pyongyang, nunca chegaram a ver. “Era uma figura misteriosa, que não aparecia pessoalmente a estrangeiros e que nós só conhecíamos pela televisão e pelos jornais.” Constava até que Kim Jong-il — pai do líder atual, Kim Jong-un — “sofria de alguma atrofia da fala”.

Misterioso, Kim Jong-il não aparecia pessoalmente a estrangeiros, que só o conheciam pela televisão e pelos jornais

Misterioso, Kim Jong-il não aparecia pessoalmente a estrangeiros, que só o conheciam pela televisão e pelos jornais

reuters

Duarte de Jesus encontrou-se também com o ministro dos Negócios Estrangeiros em exercício, Kim Chang-ryong, que um dia lhe caracterizou o Japão, Coreia do Sul, China e Estados Unidos como os “quatro grandes inimigos” da Coreia do Norte. Com Portugal era diferente. “Repetiram-me, várias vezes, que nunca tivemos qualquer atrito.” Pouco tempo antes, por “dificuldades orçamentais”, a Coreia do Norte encerrara as suas embaixadas em Portugal e mais 13 países, mas segundo Kim Yong-nam indicou a Duarte de Jesus, “Kim Jong-il tinha desejo de normalizar as relações com toda a União Europeia e gostava de contar com o apoio de Portugal.”

Formado em História e Filosofia, Duarte de Jesus iniciou a carreira diplomática em 1961. O primeiro posto dele como embaixador foi em Kinshasa, no final da década de 80. Entre 1993 e 1997, esteve colocado em Pequim e estava também acreditado em Pyongyang como embaixador extraordinário e plenipotenciário. A viagem de avião entre as duas capitais demorava menos de duas horas. No plano político, porém, a distância era enorme. A China estava a converter-se ao capitalismo, abrindo a sua economia ao investimento externo e à iniciativa privada; a vizinha Coreia do Norte continuava a viver num mundo aparte: “Parecia um cenário de uma peça de teatro bastante dramática.”

No primeiro relatório que enviou para Lisboa, e que será publicamente divulgado este ano, no livro que Duarte de Jesus está a ultimar sobre a Coreia do Norte, o diplomata português descreve assim o que viu: “A impressão geral é de uma sociedade orwelliana, uma prisão quase de luxo onde o espaço de iniciativa ou criatividade desapareceu irremediavelmente.”

Um dia, os seus anfitriões conduziram-no até Panmunjeom, na zona desmilitarizada que separa as duas Coreias: “Ao longo de uma autoestrada com cerca de 200 quilómetros, não me recordo de ter cruzado com nenhum automóvel. Tomámos um café numa bomba de gasolina, que, estou convencido, deve ter aberto de propósito para nos receber.”

Antes da queda do Muro de Berlim, Duarte de Jesus esteve colocado na Checoslováquia e, nessa altura, viajou também pela Hungria e a República Democrática Alemã. A Coreia do Norte fazia igualmente parte do chamado “bloco socialista”, mas “não tinha qualquer semelhança com aqueles países”. Duarte de Jesus é perentório: “Não se pode de maneira alguma configurar a Coreia do Norte como um país marxista-leninista. Mesmo na China de Mao Tsé-Tung, durante a Revolução Cultural, nunca houve a substituição de uma ideologia política por uma religião, que é isso que acontecia e está a acontecer na Coreia do Norte.” A “religião”, neste caso, chama-se juche, conceito que significa autossuficiência — autossuficiência nos domínios politico, económico e militar. “É um fundamentalismo como o islâmico, e que passa pela divinização do líder”, diz Duarte de Jesus.

A própria apresentação das cartas credenciais foi singular. O processo começou no final de 1993. Como manda o protocolo, as cartas, assinadas pelo Presidente português (na altura, Mário Soares), eram dirigidas ao homólogo norte-coreano, Kim Il-sung. Por “lapso administrativo”, em vez de serem enviadas para Pequim, as credenciais seguiram para um país latino-americano e, entretanto, em julho de 1994, Kim Il-sung morre. Pai de Kim Jong-il, o “Grande Líder” Kim Il-sung foi o fundador da Republica Democrática e Popular da Coreia (nome oficial da Coreia do Norte), em 1948, e o único Presidente que a maioria da população conheceu. Duarte de Jesus nunca mais esqueceu o que a televisão norte-coreana disse sobre a morte dele: “Todas as aves pararam de cantar e o mar deixou de fazer ondas.”

Quando foi apresentar condolências na embaixada norte-coreana em Pequim, Duarte de Jesus perguntou em nome de quem deveriam agora ser reformuladas as cartas credenciais. “Em nome de “Kim Il-sung”, respondeu-lhe “tranquilamente” o embaixador norte-coreano, Chu Chang-jun, um funcionário com a categoria de vice-ministro que o diplomata português “visitava com regularidade”. “Kim Il-sung é eterno e será eternamente o nosso Presidente”, explicou o embaixador norte-coreano. É verdade: nem o filho nem o neto de Kim Il-sung assumiram o título de Presidente da República. O “respeitado supremo líder” Kim Jong-un é apenas “presidente do Partido dos Trabalhadores, presidente da Comissão dos Assuntos de Estado e supremo-comandante do Exército Popular”.

Ritual Em maio de 1995, Duarte de Jesus entrega as cartas credenciais a Li Jong-ok, vice-presidente da Assembleia Popular Suprema da Coreia do Norte

Ritual Em maio de 1995, Duarte de Jesus entrega as cartas credenciais a Li Jong-ok, vice-presidente da Assembleia Popular Suprema da Coreia do Norte

d.r.

Depois de algumas conversas ao telefone com Mário Soares, o protocolo português propôs a Pyongyang omitir qualquer nome nas cartas credenciais e escrever apenas “Ao Grande Líder”. A proposta foi aceite e “seria também usada pelos outros embaixadores” que se encontravam na mesma situação. Duarte de Jesus acabou por entregar as cartas credencias a um vice-presidente da Assembleia Popular Suprema, Li Jong-ok, em maio de 1995. Outra singularidade: após a apresentação das credenciais, “convidaram a minha mulher (Henny Duarte de Jesus) a assistir às primeiras conversações com Li Jong-ok, um procedimento único em toda a minha vida diplomática”, anotou o diplomata.

Além do luto pela morte de Kim Il-sung, que duraria três anos, a Coreia do Norte vivia uma profunda crise económica. Ao colapso da União Soviética, de quem o país muito dependia, juntaram-se os efeitos diluvianos das cheias. Centenas de milhares de norte-coreanos — ou mais de um milhão, segundo algumas estimativas — morreram de fome durante os anos da “árdua marcha”, como é designado o período de 1994 a 1998. (Em 2016, a economia norte-coreana cresceu 3,9%, o valor mais alto desde 1999, mas pelas contas da ONU, cerca de 40% da população — 10,3 milhões de pessoas — continuam mal alimentados.)

Na capital, a crise não era “muito percetível”, escreveu Duarte de Jesus para Lisboa: “Não há mendigos, não há velhos nas ruas. Quem sai deve, por lei, estar bem vestido.” Mas alguns sinais não enganavam: “As poucas lojas que se viam estavam totalmente vazias (…). Os carros, que sempre foram poucos, agora quase não se veem.” À noite, “metade das ruas” ficava “mergulhada numa escuridão total para poupar energia”. Fornecida outrora pela URSS, “em regime barter” (troca por outros produtos ou serviços), a energia devia agora ser paga em dólares, uma moeda pouco abundante nos cofres de Pyongyang). Mesmo assim, Duarte de Jesus constatou um “certo otimismo” entre os seus interlocutores.

O otimismo estava associado ao programa KEDO (Korean Peninsula Energy Development Organization), acordado dois meses antes com os EUA, Coreia do Sul, Japão, União Europeia e a Agência Atómica Internacional, e que visava responder às prementes necessidades da Coreia de Norte em matéria de energia. O país não renunciaria ao seu programa nuclear, mas em vez de continuar a produzir plutónio, material suscetível de ser usado no fabrico de armas atómicas, iria utilizar reatores de água leve (LWR). A Coreia do Sul era o maior financiador do programa, com cerca de 1500 milhões de dólares. Japão e EUA contribuiriam com 500 e 400 milhões de dólares, respetivamente, e a União Europeia com 122 milhões de dólares.

Único embaixador de um país da União Europeia residente em Pequim que estava acreditado em Pyongyang, Duarte de Jesus “era objeto de muitas perguntas” por parte dos seus colegas quando regressava da Coreia do Norte: “Todos acompanhavam com interesse o desenrolar do programa KEDO”. Com interesse e enorme expectativa. Se tudo corresse bem, “isso resolveria o problema nuclear e acabaria com o isolamento económico da Coreia Norte, que estava a causar uma grande fome”. Parecia simples, mas as divergências não tardaram a aparecer.

A Rússia, que no tempo da União Soviética ajudara a Coreia do Norte a desenvolver o seu primeiro centro de investigação nuclear, queria fornecer os novos reatores, enquanto os EUA apostavam em reatores fabricados na Coreia do Sul, “sob licença norte-americana”. A Coreia do Norte, por sua vez, preferia reatores da marca Siemens, fabricados na Alemanha. “Eles não queriam ficar dependentes nem da Rússia nem dos EUA e pediram-me que fizéssemos o possível para que a União Europeia tivesse um papel mais ativo no KEDO”, contou Duarte de Jesus. A União Europeia não desempenhou esse papel: na altura, “não tinha nenhuma embaixada na Coreia do Norte e já começava a ter falta de uma política externa comum”.

O “otimismo” culminou com a visita a Pyongyang da secretária de Estado norte-americana, Madeleine Albright, em outubro de 2000. Foi — até hoje — o mais importante funcionário americano recebido na Coreia do Norte. “Os dois grandes memorandos assinados durante essa visita ainda estão em secretismo nos EUA, e, portanto, ainda não se tem acesso a eles. Mas pelo que a própria Albright já revelou, ela e Kim Jong-il chegaram a um entendimento bastante bom, nomeadamente quanto à suspensão da venda de mísseis à Síria e ao Irão”, referiu Duarte de Jesus.

Sem o acordo que esteve na origem do KEDO, quando a Administração de George W. Bush tomou posse (em janeiro de 2001), a Coreia de Norte já teria entre 50 e 100 armas nucleares, lembrou Madeleine Albright num artigo publicado no “New York Times”. “Em vez disso, pelo que os EUA sabiam, não tinha nenhuma.”

Entretanto, houve o 11 de Setembro, Bush colocou a Coreia do Norte no “eixo do mal”, ao lado do Iraque e do Irão, e em 2005 o KEDO seria abandonado. No ano seguinte, pela primeira vez, a Coreia do Norte efetuou um teste nuclear e desde então fez mais cinco, o último dos quais com uma bomba de hidrogénio, em setembro passado. “Para nós, o programa nuclear é tão precioso como a própria vida”, proclamou a agência noticiosa oficial norte-coreana, KCNA.

Insólito. Após a apresentação das cartas credenciais, convidaram a mulher do embaixador para assistir às primeiras conversações com Li Jong-ok

Insólito. Após a apresentação das cartas credenciais, convidaram a mulher do embaixador para assistir às primeiras conversações com Li Jong-ok

d.r.

Vinte anos após a sua passagem por Pyongyang, já aposentado do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Duarte de Jesus continua a acompanhar a situação na Coreia do Norte e a sua conturbada relação com os EUA. “O perigo de um conflito nuclear é maior do que no tempo da Guerra Fria”, diz o antigo embaixador, citando o ensaísta Noam Chomsky. Um especialista chinês de Relações Internacionais, o professor Shi Yinhong, da Universidade Popular de Pequim, tem a mesma perceção: “As condições atuais na península coreana representam o maior risco de guerra em décadas.”

“A única alternativa é retomar uma negociação a sério”, defende Duarte de Jesus. “Não acredito muito no regime de sanções económicas. Não foi por causa das sanções económicas que a África do Sul deu a volta, mas por causa de dois homens (Nelson Mandela e Frederik de Klerk). E hoje, com a desregulação financeira existente, as sanções são mais fáceis de furar.” Duarte de Jesus sustenta que, apesar das sanções impostas pela ONU, a Coreia do Norte consegue financiar-se: “Se não houvesse financiamento eles não teriam avançado tanto no domínio cibernético, por exemplo. Há financiadores da Coreia da Norte. Não se sabe de onde vêm, mas há. As redes financeiras são cada vez mais opacas.”

Na sua opinião, “ao contrário do que se passa na política interna, que é irracional, no plano externo, a dinastia Kim tem tido uma política racional e até bem-sucedida. Se não fossem racionais não se teriam aguentado até agora”.

“Eles não obedecem a ninguém”, diz Duarte de Jesus acerca dos líderes norte-coreanos. “O seu objetivo é iniciar um diálogo com os EUA e demonstrar aos vizinhos mais perigosos, como o Japão, por exemplo, que eles podem dialogar e ser parceiros de um Estado que é ainda a maior potencia do mundo.”

Do lado americano, porém, o diálogo não parece estar na ordem do dia. Segundo Duarte de Jesus, “os EUA têm sempre uma intenção mais ou menos missionária” e no fundo, “o seu principal objetivo é democratizar a Coreia do Norte”. O antigo embaixador em Pyongyang vê as coisas de outra maneira: “Acho que o objetivo devia ser tornar a Coreia do Norte inofensiva do ponto de vista da energia atómica. Quanto à democratização do regime, devíamos deixar os norte-coreanos resolver o problema.”

* Antigo delegado da agência Lusa em Pequim