Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Pierre Bühler: “Foi o Papa e não Lutero quem provocou a rutura”

tiago miranda

Nascido em 1950, é professor emérito de teologia da Universidade de Zurique. Um dos mais importantes especialistas europeus em Lutero, esteve em Lisboa no recente congresso internacional que assinalou os 500 anos do início da Reforma protestante

Tiago Miranda

Tiago Miranda

foto

Fotojornalista

“Para Lutero, a liberdade é, antes de mais, ser libertado, para ser livre”, diz Pierre Bühler. O iniciador da Reforma só queria uma Igreja renovada, mas a excomunhão decretada pelo Papa levou-o a imaginar uma nova Igreja. “Nesse sentido, foi a autoridade católica que provocou a rutura, não os reformadores.”

Houve jovens católicos a boicotar cerimónias evocativas da Reforma. O que falta ao diálogo ecuménico para ultrapassar tal intolerância?
Esses grupos devem ser uma reação integrista à separação das confissões. Por vezes, do lado católico, ouve-se que a separação deveria ser confessada como um erro... É a primeira vez que temos um centenário da Reforma celebrado em conjunto. Mas, em ambos os lados, há movimentos integristas que vivem ainda na oposição entre católicos e protestantes. Mas também há jovens católicos muito interessados no diálogo ecuménico com os protestantes. A busca de Lutero e dos outros reformadores visava sobretudo a unidade: os reformadores nunca quiseram uma nova Igreja, eles queriam reformar a Igreja tal como ela era. Foi só porque houve uma excomunhão que Lutero teve de imaginar uma nova Igreja. Ele queria viver na Igreja como ela era, mas renovada. Nesse sentido, foi a autoridade católica que provocou a rutura, não os reformadores.

O Papa Francisco disse praticamente o mesmo, no ano passado: que Lutero foi um verdadeiro reformador, que colocou a Bíblia nas mãos do povo. Essa foi a sua mais importante herança?
O facto de a leitura da Bíblia deixar de ser reservada a um grupo ou a um papa e todos os crentes terem acesso a ela é uma herança importante. Quando Lutero publicou a sua [tradução da] Bíblia, fez uma introdução a cada livro para dizer como se deve ler cada livro. E esse é outro elemento: não basta ler a Bíblia, é preciso saber qual a mensagem nela contida, da justificação pela fé.

Diz que essa nova interpretação da Bíblia mudou a Europa e que Lutero mudou o compromisso cidadão a partir da leitura da Bíblia. Porquê?
Dando ao crente a responsabilidade de ler a Bíblia, Lutero deu a cada pessoa a responsabilidade cívica. Ler a Bíblia interpela e dá à vida uma determinada função. A Bíblia acompanha a vida quotidiana e esta é colocada sob o signo de uma mensagem que deve ser concretizada na vida quotidiana. O crente é quem se compromete na sociedade e não apenas quem se retira para o convento. Deus chama a cumprir um trabalho. Seja o camponês, o jurista ou o professor, o crente está sempre a concretizar a sua fé na vida quotidiana.

E em relação à mulher e ao casamento?
Um dos passos importantes foi o de contestar a prática generalizada de meter as raparigas nos conventos e guardar os rapazes para trabalhar. Lutero marcou fortemente a ideia de que a mulher também tem um papel na sociedade. Isso significou que o papel da mulher e de mãe de família foi revalorizado e que mudou a conceção do casamento.

Inspirado pelo apóstolo Paulo, ele escreveu — num belo livro sobre o tema — que a vida de casal é querida por Deus e que é preciso que haja partilha entre o marido e a mulher. Repensou o casamento como positivo, em que a sexualidade pode ser partilhada e que não é só para a procriação, que era a ideia católica.

Lutero chegou à ideia de liberdade dizendo que a sua consciência estava cativa da palavra de Deus. Quando a liberdade nos escapa em tantos domínios, podemos dizer que nos falta algo de fundamental para a alcançar de novo?
Para Lutero, a liberdade é, antes de mais, ser libertado, para ser livre. É a palavra que vem libertar, sabendo que Deus me aceita e me reconhece tal como sou e que é isso que me torna livre. Não é uma qualidade já adquirida, é algo que se deve receber sempre de novo. A liberdade, como Lutero a concebe, é uma grande confiança em Deus: mesmo quando o mundo vai mal e se há muitas crises, há um Deus que toma tudo isso nas suas mãos. Nesse sentido, ele combateu a ideia de um medo do fim do mundo. Esta confiança, apesar das ameaças, significa que vale a pena viver ainda hoje e fazer o meu trabalho. Creio que é muito forte em Lutero a ideia de que o medo nos paralisa, enquanto a confiança nos mantém em movimento e no esforço de ajudar.

No debate sobre a fé e as obras, São Paulo falava das obras como as regras a cumprir; Lutero criticava o pagamento de indulgências identificando-o com as obras que Paulo criticava. A interpretação dele foi um erro?
Não creio. Como Paulo, Lutero vinca mais fortemente a ideia de que a pessoa se queira glorificar diante de Deus, como bom fariseu, passando muitas vezes ao lado do pobre e comprando indulgências. Lutero diz que é preciso, antes de mais, ocuparmo-nos dos pobres. A salvação é-nos dada, não a podemos comprar. As obras são uma consequência da fé e não uma condição da fé. É impressionante que a crítica de Lutero às indulgências nunca tenha mudado a Igreja Católica sobre esse ponto. Ainda no ano passado, o Papa Francisco promulgou a indulgência a propósito do ano da misericórdia...

A sua prática deveria ser abandonada?
A prática está tão ancorada na piedade católica... Mas teria sido interessante que o Papa Francisco tivesse proclamado um jubileu da misericórdia sem indulgências, apenas com a ideia da misericórdia, porque com ela já temos tudo o que é preciso...

Há avanços teológicos no diálogo ecuménico que os crentes não conhecem...
Quer dizer que as autoridades da Igreja não os aplicam. O que é importante é que haja encontros, debates, celebrações comuns... As pessoas, na base, esperam sobretudo que haja celebração comum da eucaristia.

O obstáculo principal é a Igreja Católica?
Sim, as igrejas protestantes estão prontas a ter uma hospitalidade eucarística. A Igreja Católica não aceita o princípio, mesmo se aceita exceções.

Em Lisboa, fez também uma intervenção sobre música. Qual é a função teológica da música em Lutero?
Uma das convicções importantes de Lutero era que a assembleia cantasse — e se possível a quatro vozes.

Bach ajudou-o muito...
Sim. Mas a sua convicção era que a assembleia deve cantar, para exprimir a alegria e a liberdade do cristão. A sua tese é que a música nos torna alegres, combate a tristeza e o diabo e, nesse sentido, é expressão da fé cristã por excelência. Depois da teologia, ele colocava a música. É uma outra herança que também formou a Europa.