Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Irão acusa Trump de procurar sabotar “acordo multilateral sólido”

Mohammad Javad Zarif, ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano

Spencer Platt/Getty Images

Donald Trump confirmou esta sexta-feira a suspensão das sanções contra o Irão, mas avisou que era a última suspensão que assinava caso não sejam feitas as alterações que pretende ao acordo nuclear

O ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Mohammad Javad Zarif, acusou esta sexta-feira o Presidente norte-americano, Donald Trump, de procurar sabotar o acordo nuclear que “não pode ser renegociado”.

“A política de Trump e o anúncio feito hoje representam tentativas desesperadas para sabotar um acordo multilateral sólido”, declarou o chefe da diplomacia iraniana na rede social Twitter.

As declarações de Mohammad Javad Zarif, citadas pela agência noticiosa AFP, surgem pouco depois de o Presidente dos Estados Unidos ter confirmado a suspensão das sanções contra o Irão, levantadas no quadro do acordo, embora ressalvando que era “a última suspensão” que assinava caso não sejam feitas as alterações que pretende. Nomeadamente alterar a cláusula que permite o levantamento das restrições sobre o programa iraniano de enriquecimento de urânio para fins militares a partir de 2025. Outra reivindicação já manifestada pelo Presidente norte-americano diz respeito ao acesso livre da Agência Internacional de Energia Atómica a bases militares iranianas e à inclusão do programa de desenvolvimento de mísseis balísticos do Irão no acordo nuclear. “Na ausência de tal renegociação, os Estados Unidos não voltarão a manter suspensas as sanções”.

A administração norte-americana terá de tomar nova decisão sobre se prescinde ou não das medidas contra Teerão em 120 dias. Até lá, segundo um alto responsável dos EUA, Washington pretende “trabalhar com os parceiros europeus” sobre novos termos do acordo.

Três responsáveis citados pela agência noticiosa AP indicaram ao longo da tarde de hoje que, apesar de prescindir de aplicar as sanções, Trump ameaçou que vai sair do acordo se não houver uma renegociação dos termos até à primavera.

Embora tenha abdicado de impor novas sanções no quadro do acordo nuclear, Trump anunciou medidas contra 14 cidadãos iranianos e entidades que os EUA consideram ter cometido abusos de direitos humanos, censura e apoiado atividades terroristas.