Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Califórnia. Seca, fogo e tempestade, ou um campo de batalha da I Guerra Mundial

ROBYN BECK/GETTY IMAGES

Quando a tempestade começou, no início desta semana, não houve vegetação que tenha conseguido conter a água, que deslizou sobre a terra e cobriu estradas e casas de lama e água. Morreram pelo menos 17 pessoas e dezenas ficaram feridas. Várias pessoas continuam desaparecidas

Helena Bento

Helena Bento

Jornalista

Não sabemos como aconteceu mas a verdade é que quando viu a tempestade à sua frente pareceu-lhe estar perante as “cataratas do Niagara”, disse Jeannette Abney, residente na Califórnia, ao britânico “The Guardian”. “A chuva foi terrível, terrível. O meu grande camião foi arrastado pela estrada. Nunca vi nada assim”, contou a mulher de 88 anos.

Primeiro foi a seca, depois o fogo, o maior de todos e de sempre que ali chegou e que destruiu cerca de 110 mil hectares de terra, e agora foram as chuvas que caíram em jorros e encheram casas e estradas de lama e água. A população da Califórnia continua ser ter descanso, em específico os residentes do condado de Santa Barbara, no sudeste daquele estado norte-americano, onde nos últimos dois dias morreram pelo menos 17 pessoas e dezenas ficaram feridas devido às cheias e deslizamento de terras.

David McNew/Getty Images

Os estragos foram muitos e os números entretanto disponibilizados pelas autoridades californianas comprovam-no - 65 habitações ficaram totalmente destruídas e outras 462 ficaram danificadas, mais de metade delas na área de Montecito, a mais abastada de Santa Barbara (é pontuada aqui e ali por mansões faustosas, nomeadamente as de Oprah Winfrey e Ellen DeGeneres) e mais afetada pelos deslizamentos de terra. Uma comparação do xerife daquele condado, Bill Brown, dá bem a ver a dimensão da tragédia. “As únicas palavras que me ocorrem para descrever o que está a acontecer é que a região parece transformada num campo de batalha da I Guerra Mundial”, afirmou Bill Brown à CNN. Também as fotografias divulgadas ilustram bem a destruição. Pessoas cobertas de lama a ser levadas em braços pelos membros das equipas de emergência e estradas transformadas em rios de água, pedregulhos e lixo; carros amolgados e destruídos ou com água quase até ao volante, como autênticos caldeirões de lama borbulhentos.

ROBYN BECK/GETTY IMAGES

A tempestade começou no início da semana e já se antecipava em parte o que aí vinha, dada a violência e as consequências dos fogos que afetaram o sul do país em dezembro do ano passado. O incêndio, nomeado “Thomas”, foi considerado o mais destrutivo desde que há registos na Califórnia. Matou mais de 40 pessoas e deixou milhares de hectares de terra sem vegetação capaz de absorver e conter a água em situações extremas. Como foi agora o caso. Precisamente por isso, as autoridades haviam aconselhado atempadamente os residentes de Santa Barbara, Ventura e Los Angeles a abandonar as suas casas, mas poucos o fizeram (estima-se que em Santa Barbara, por exemplo, apenas entre 10% a 15% dos residentes tenham seguido a recomendação, segundos números avançados pelo correspondente do “Guardian” no local). Para Bill Brown, no entanto, nada fazia prever isto: “Acho que a maioria das pessoas está verdadeiramente chocada com a dimensão dos estragos e com o impacto que isto teve na região. Embora soubéssemos que esta tempestade estava para chegar, é impossível não nos sentirmos surpreendidos com tudo isto”, afirmou o xerife ao canal de televisão norte-americano CBS.

Já esta quinta-feira, a população voltou a ser aconselhada pelo responsável dos bombeiros de Santa Rosa, Paul Lowenthal, a ter planos de evacuação caso seja necessário fugir por causa de outra eventual tempestade, mas por enquanto a prioridade para todos é mesmo tentar encontrar os residentes que ainda estão desaparecidos - oito, segundo a CNN. Cerca de 500 bombeiros estão envolvidos nas buscas, com o apoio de cães e 14 helicópteros. Há também muito trabalho a fazer ao nível de serviços e infraestruturas. Em Montecito, bem como na área de Summerland, mantém-se os cortes no fornecimento de água. Os comboios estão parados e a polícia mandou fechar partes da Route 101 - a autoestrada que liga os estados da Califórnia, Oregon e Washington -, que, com a tempestade, passaram a assemelhar-se a “leitos de rio com uma mistura de lixo, detritos e pedras”, descreveu Tim Weisberg, porta-voz do Departamento de Transportes californiano.

Justin Sullivan/Getty Images