Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Hamas vê decisão dos EUA como “declaração de guerra” e apela a nova Intifada

GETTY

O líder da organização diz que o reconhecimento norte-americano da cidade de Jerusalém como capital israelita “matou” o processo de paz israelo-palestiniano

“A decisão dos Estados Unidos é uma agressão, uma declaração de guerra contra nós, sobre os melhores santuários muçulmanos e cristãos no coração da Palestina, Jerusalém”, declarou o líder do Hamas, Ismail Haniyeg, apelando a uma nova Intifada depois de o Presidente Donald Trump ter reconhecido a cidade como a capital de Israel.

“Esta decisão matou o acordo de paz”, comentou, lançando o repto para a sublevação e para a revolta popular: “Devemos trabalhar juntos para lançar uma Intifada sobre o inimigo sionista”.

A decisão de mudar a embaixada dos Estados Unidos de Telavive para Jerusalém já fora aprovada pelo Congresso norte-americano em 1995. Mas tendo em conta o potencial de conflito que acarreta, tanto o então Presidente Clinton, como os seus sucessores Bush e Obama assinaram declarações a suspensões temporárias da transferência. Algo que Donald Trump optou agora por não fazer, tornando os Estados Unidos no único país do mundo a reconhecer Jerusalém como a capital de Israel.

“Estamos hoje num ponto crítico da história sobre a questão palestiniana e no âmago da questão palestiniana está Jerusalém”, considerou Haniyeg. “Jerusalém, toda a Jerusalém, é nossa”, afirmou, acrescentando que todas as fações palestinianas devem unir-se rapidamente para traçarem “uma estratégia para confrontarem a ocupação e as políticas da administração dos Estados Unidos dentro dos Territórios Palestinianos”.