Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Netanyahu considera decisão dos EUA um “passo importante para a paz”

RONEN ZVULUN/GETTY

Primeiro-ministro israelita fala num “dia histórico” e promete manter o status quo nos locais santos de Jerusalém

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, considerou esta quarta-feira o anúncio dos EUA de reconhecerem Jerusalém como capital de Israel "um passo importante para a paz".

O anúncio feito pelo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, representa uma rotura com décadas de neutralidade da diplomacia norte-americana na questão israelo-palestiniana.

Netanyahu considerou que esta quarta-feira é "um dia histórico", prometendo também manter o 'status quo' nos locais santos de Jerusalém.

Trump também anunciou – como já era esperado – que vai dar ordens ao Departamento de Estado para mudar a embaixada dos EUA de Telavive para Jerusalém.

No seu discurso, o Presidente dos EUA disse que continua a defender uma solução de "dois Estados" naquela região –Palestina e Israel – e disse "tudo fará para promover uma solução pacífica".

Trump apelou à "calma" e à "tolerância" na sequência do seu anúncio, e indicou que o seu vice-presidente, Mike Pence, se desloca ao Médio Oriente "nos próximos dias".

Os Estados Unidos transformam-se assim no único país do mundo a reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

Israel considera a Cidade Santa a sua capital "eterna e reunificada", mas os palestinianos defendem pelo contrário que Jerusalém-leste deve ser a capital do Estado palestiniano ao qual aspiram, num dos principais diferendos que opõem as duas partes em conflito.

Os países com representação diplomática em Israel têm as embaixadas em Telavive, em conformidade com o princípio, consagrado em resoluções das Nações Unidas, de que o estatuto de Jerusalém deve ser definido em negociações entre israelitas e palestinianos.