Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Claudio nasceu no Mediterrâneo e foi resgatado pelo bombeiro de quem herdou o nome

Uma mulher ganesa deu à luz na embarcação de migrantes que fazia a travessia entre a Líbia e Itália. A mãe fez questão de dar ao bebé o nome do bombeiro espanhol que descobriu o recém-nascido a bordo e os deixou a salvo na Sicília. Uma história singular, que agore une os dois Claudio Romero

Claudio emocionou-se ao receber a notícia, que lhe foi transmitida pelo telefone horas depois de ter participado num resgate muito especial no Mediterrâneo. Do outro lado da linha, uma voz masculina queria saber o seu nome, um pedido especial da jovem mãe que o bombeiro espanhol havia deixado a salvo num centro de refugiados na Sicilia, para que a mulher pudesse batizar o seu filho. “Claudio Romero”, respondeu, e esse é agora também o nome do bebé recém-nascido, que o bombeiro descobriu ainda com o cordão umbilical, a bordo da embarcação que trouxera a mãe desde a Líbia.

O bombeiro confessa que chorou. Ao jornal “El Mundo” recordou o salvamento: “Era de madrugada, o nosso terceiro resgate, estava muito escuro. Apanhei o que me pareceu um monte de panos e mantas, e por baixo estava ele... fiquei hipnotizado, demorei alguns segundos a reagir, porque tinha ainda restos e placenta e o cordão umbilical preso ao corpo”.

Aconteceu no dia 22 de novembro, cerca das 4h da madrugada. A embarcação que participava nos resgates opera por conta de ONG espanholas, e navega geralmente pelas águas que separa a Libia de Italia, rota habitual de migrantes. Desde 2015, chegaram a Itália por mar mais de 320 mil pessoas, 90% delas procedente das costas da Libia. Cerca de 64 mil eram menores de idade.

Outra das voluntárias, Lara Lussón, ficou também incrédula. “Não podíamos acreditar que havia um recém-nascido a bordo. Já encontramos muitas crianças em resgates, mas nenhum que tivesse nascido minutos antes da nossa intervenção. A mãe não conseguia mexer-se, tivemos de a transportar”, explicou.

Claudio tem 44 aaos e trabalha há 15 como bombeiro na Grande Canária. Voluntário da Cruz Vermelha há 25 anos, está feliz por saber que o seu ‘afilhado’ está bem, apesar de mãe e filho terem sido encontrados gelados e em condições tão difíceis.

A mulher, de origem ganesa, felizmente precisava apenas de receber cuidados básicos e descansar. Estava exausta, dorida e “morta de medo”, e deu à luz sem que ninguém à sua volta se tivesse, sequer, apercebido. Acabou encaminhada para um hospital, onde ela e o bebé ambos foram observados.

Claudio Romero Jr. nasceu em águas europeias e terá passaporte italiano. À mãe será concedido asilo. Apesar de tudo, um final de história feliz.