Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Exército do Zimbabwe anuncia detenção do Presidente Mugabe

Mugabe escoltado por soldados em 2008, quando tomou posse como Presidente do Zimbábue pela sexta vez consecutiva

ALEXANDER JOE

Aparente golpe militar marca primeiro conflito entre as chefias militares e Robert Mugabe desde a sua chegada ao poder em 1980

O Exército do Zimbábue anunciou na madrugada desta quarta-feira que capturou o Presidente do país, Robert Mugabe, um dos mais velhos chefes de Estado do mundo e o homem que está há mais tempo no poder num país de África.

No que parece ser o primeiro golpe militar no país desde a chegada de Mugabe ao poder – primeiro em 1980 como primeiro-ministro, desde 1987 enquanto Presidente –, o Exército tomou a televisão estatal, ZBC, depois de uma madrugada em que a capital do país foi abalada por três explosões.

A partir da redação, dois soldados em uniforme anunciaram ao início desta quarta-feira que "a situação no país avançou para outro nível". Rejeitando que haja um golpe militar em curso, os representantes das forças armadas garantiram que Mugabe e a sua família "estão a salvo" e que "a sua segurança está garantida".

"Só estamos à procura de criminosos que rodeiam [o Presidente] e que estão a causar grande sofrimento económico e social ao país, queremos que sejam julgados", declarou o principal locutor, identificado como o chefe do Estado-Maior do Exército, o major general S. B. Moyo.

Pouco conhecido do público em geral mas considerado um dos chefes militares mais próximos do general Constantine Chiwenga, o comandante máximo das tropas do Zimbabwe, Moyo avisou ainda que "qualquer provocação resultará numa resposta apropriada". No início da semana, Chiwenga tinha exigido ao Presidente que pusesse fim à "purga" de ministros no seu governo.

Pelas 6h da manhã locais (menos duas horas em Lisboa), a vida na capital, Harare, parecia estar a decorrer com normalidade. Os correspondentes do "New York Times" na cidade dizem que alguns soldados continuam a ser avistados nas principais estradas que ligam à capital, mas que nenhum veículo está a ser parado.

Para já, não se sabe para onde Mugabe foi levado. A tensão entre as forças armadas e o Presidente, no poder desde a independência do país há 37 anos, acontece uma semana depois de o vice-presidente Emmerson Mnangagwa ter sido forçado a demitir-se – alegadamente para abrir caminho à primeira-dama, Grace Mugabe, para que venha a substituir o marido de 93 anos.

O general Chiwenga é amigo próximo de Mnangagwa, que a par de ter sido expulso do governo foi igualmente afastado do partido de Mugabe, o ZANU-PF. Ao "New York Times", o ministro da Informação, Simon Khaya Moyo, disse esta manhã numa curta entrevista telefónica que "não sabe" se está em curso um golpe militar. "O que é que posso dizer? Não sei nada sobre isso."