Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Rajoy na Catalunha para repor a "democracia" e recuperar votos para o PP

Pela primeira vez vez em Barcelona desde que a Catalunha foi submetida à tutela de Madrid, Mariano Rajoy reafirmou que é "preciso recuperar a Catalunha", por via da "democracia e liberdade", e aos empresários pediu que não "abandonassem" a região

Mariano Rajoy chegou a Barcelona esta manhã para assistir à apresentação oficial de Xavier Garcia Albiol, candidato do Partido Popular nas eleições regionais de dia 21 de dezembro, aproveitando para sublinhar a sua intenção de restabelecer a ordem e medir a sua popularidade na Catalunha. Esta é também uma tentativa de recuperar votos para o PP na Catalunha, que na última eleição regional tinha obtido apenas 8,5%.

Esta foi a primeira visita do primeiro-ministro espanhol a Barcelona, depois de ter aplicado o artigo 155 da Constituição espanhola, como medida de pôr fim ao "delírio dos independentistas" e de "ter esgotado todas as tentativas de travar a escalada de agressão", como justificou no seu discurso, sublinhado a necessidade de "devolver a legalidade" às instituições da Catalunha. "Fizemos o mesmo que qualquer país que se quer um país faria. Mesmo os combatentes da independência estão sob o escrutínio da lei", disse o líder do Partido Popular.

Em Barcelona, Rajoy, reafirmou a intenção e a necessidade de recuperar a Catalunha, pedindo ao povo espanhol "que não deixe de comprar produtos catalães e que nunca o deixassem de o fazer", e aos empresários que não "abandonassem a Catalunha", depois da ter já havido uma debandada de 2. 400 empresas desde o início da crise.

O primeiro-ministro espanhol que convocou esta eleição depois de ter deposto o governo de Puigdemont e dissolvido o parlamento, manteve no seu discurso a intenção de "restaurar a ordem constitucional" e de reafirmar o seu objetivo de "recuperar a Catalunha" através da "democracia".

Esta visita coincidiu também com a manifestação que ontem teve lugar em Barcelona, que tinha como reivindicação a libertação dos líderes separatistas. A manifestação reuniu cerca de 750 mil pessoas, segundo a polícia municipal..