Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

60 mil pessoas marcharam em Varsóvia por uma “Europa branca ou então desabitada”

EPA/Jacek Turczyk/POLAND OUT

Convocada por grupos de extrema-direita, a grande manifestação assinalou o Dia da Independência polaco

Foram mais de 60 mil pessoas as que no sábado marcharam em Varsóvia para assinalar o Dia da Independência da Polónia. E tal seria considerado normal se não se tratasse de uma manifestação nacionalista, organizada por grupos de extrema-direita que aproveitaram para gritar slogans xenófobos. No meio de palavras de ordem como "Deus, honra, país" ou "Glória aos nossos heróis", ouviram-se outras como "Polónia pura, Polónia branca" ou "fora os refugiados".

De facto, a exortação de uma "Europa branca, ou então desabitada " foi uma das principais mensagems dos cartazes envergados pelos manifestantes, muitos deles com o rosto coberto e a atirarem bombas de fumo vermelho. Também não faltou "Nós queremos Deus" — palavras pertencentes a uma velha canção sacra polaca que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, citou este ano na sua visita ao país.

"Esta foi uma bela visão. Estamos orgulhosos de que tantos polacos tenham decidido tomar parte na celebração do Dia da Independência", congratulou-se Mariusz Blaszczak, ministro do Interior, citado pelo "Guardian". Por sua parte, a emissora do Estado TVP falou de "uma grande marcha de patriotas" e negou qualquer sinal de extremismo.

Sendo apenas um dos muitos eventos patrióticos que ocorreram em Varsóvia neste dia, a manifestação ensombrou todos os outros, atraindo várias figuras da extrema-direita europeia, como o britânico Tommy Robinson ou o italiano Roberto Fiore, além de contar com um importante número de apoiantes do partido polaco atualmente no poder, Lei e Justiça (PiS).

Ao mesmo tempo, uma comparativamente pequena concentração anti-fascista também teve lugar. E, ainda que a polícia tenham mantido as duas afastadas, incidentes aconteceram: várias mulheres do grupo anti-fascista acabaram por ser puxadas e pontapeadas por manifestantes do lado nacionalista.