Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Governo de Madrid poderá avançar com ultimato à Catalunha

JJ GUILLEN / EPA

Mariano Rajoy deverá dar três dias a Carles Puigdemont para que se retrate, conta o “El Mundo” esta manhã. Caso contrário, aplicará o artigo 155 da Constituição espanhola, que permite a Madrid assumir o controlo dde diversos poderes do presidente da Catalunha

O primeiro-ministro Mariano Rajoy negociou com o líder do PSOE, Pedro Sánchez, e com o do Ciudadanos, Albert Rivera, as medidas que deverão ser anunciadas pelo Governo espanhol no final do conselho de ministros extraordinário que começou esta quarta-feira pelas 9h (8h em Lisboa), avança o “El Mundo”.

Segundo o jornal, o executivo poderá anunciar diversos tipos de medidas de combate à deriva independentista na Catalunha. A que dá como mais provável, ouvidas fontes anónimas, é a aplicação do artigo 155º da Constituição espanhola que permite ao Governo de Madrid assumir diversas competências do presidente Carles Puigdemont, suspendendo a autonomia catalã.

A evocação do artigo 155º deverá, no entanto, ser antecedida por “uma espécie de ultimato”, escreve o “El Mundo”, sob a forma de um requerimento onde Madrid daria três dias ao governo autonómico (Generalitat) para que se retrate.

Esta manhã, num périplo por diversas estações de rádio, o porta-voz do governo da Catalunha pediu a Mariano Rajoy para marcar “dia, lugar e hora” para negociar. Jordi Turull defendeu ainda que se Madrid aplicar o artigo 155º da Constituição “quererá dizer que não tem vontade de dialogar”. Turull disse ainda que a declaração de independência assinada na tarde de terça-feira pelos deputados independentistas é um “ato simbólico” mas que proclama a “República Catalã”.

Pelas 16h em Madrid (15h em Lisboa), o chefe do Governo espanhol irá explicar de viva voz ao Congresso as medidas que vierem esta manhã a ser adotadas pelo conselho de ministros.

  • Catalunha: independência declarada e logo suspensa

    O presidente da Catalunha, Carles Puigdemont, foi ao parlamento local declarar a independência da região autónoma, mas logo depois suspendeu-a “para empreender um diálogo para chegar a uma solução acordada”. Mariano Rajoy, presidente do Governo espanhol, diz que houve declaração de independência e já prepara resposta.

  • Catalunha. Empresas temem desastre económico e batem em retirada

    Sobe a lista de empresas que retiraram a sede da Catalunha, pelo menos quinze já o fizeram. Fogem à insegurança jurídica, temem boicotes e desconfiança dos clientes. Das sete empresas catalãs que faziam parte do IBEX-35, o principal índice da Bolsa de Madrid, restavam esta segunda-feira duas, a Grifolds e a Colonial. É um duro abanão para a economia catalã. Amanhã ficar-se-à a saber se vai ou não ser declarada unilateralmente a independência pelo presidente do governo autónomo, Carles Puigdemont