Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Tusk apela ao presidente catalão para que não anuncie uma “decisão que torne o diálogo impossível”

ILMARS ZNOTINS/GETTY

O presidente do Conselho Europeu lança o apelo a Carles Puigdemont antes da sua aguardada intervenção desta terça-feira no Parlamento catalão

Nas suas primeiras declarações sobre o referendo levado a cabo há duas semanas na Catalunha e no dia em que se aguarda a intervenção do presidente regional, Carles Puigdemont, no Parlamento catalão, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk apelou esta terça-feira a Carles Puigdemont para que recue.

Há alguns dias, eu pedi ao primeiro-ministro Rajoy para procurar uma solução para o problema sem o uso da força. Para procurar o diálogo. Porque a força dos argumentos é sempre melhor do que o argumento da força. Hoje, peço-lhe que respeite – nas suas intenções – a ordem constitucional e que não anuncie uma decisão que torne esse diálogo impossível”.

Eu apelo-lhe… como um membro de uma minoria étnica e um regionalista. Como um homem que sabe como é ser atingido por um cassetete da polícia, como alguém que compreende e sente os argumentos e emoções de ambas as partes”, acrescentou Tusk.

Enorme expectativa rodeia a intervenção de Puigdemont, que esta tarde poderá declarar de forma unilateral a independência.

No seu pedido por contenção, Tusk solicitou ainda para que se “olhe para o que nos une e não para o que nos divide”, considerando que “isso é que irá decidir o futuro do nosso continente”.

  • Catalunha. Empresas temem desastre económico e batem em retirada

    Sobe a lista de empresas que retiraram a sede da Catalunha, pelo menos quinze já o fizeram. Fogem à insegurança jurídica, temem boicotes e desconfiança dos clientes. Das sete empresas catalãs que faziam parte do IBEX-35, o principal índice da Bolsa de Madrid, restavam esta segunda-feira duas, a Grifolds e a Colonial. É um duro abanão para a economia catalã. Amanhã ficar-se-à a saber se vai ou não ser declarada unilateralmente a independência pelo presidente do governo autónomo, Carles Puigdemont